Opinião

O ano de 2020: do Brexit a Trump

20 jan 2020 00:11

Trump não irá parar de nos surpreender pela negativa.

Brexit: A pouco mais de duas semanas da saída do Reino Unido da União Europeia começam-se a fazer contas dos custos para ambas as partes deste divórcio.

De acordo com um estudo da Bloomberg Economics, o Brexit já custou ao Reino Unido mais de 150 mil milhões de euros podendo ultrapassar os 230 mil milhões até ao final de 2020.

No mesmo estudo, a economia do Reino Unido está 3% mais pequena do que estaria se continuasse a ser membro da União Europeia. Para a União Europeia os custos não deverão ser menores.

Mesmo sendo difícil estimar valores é fácil afirmar que os custos do Brexit não serão distribuídos igualmente pelos Estados membros da União Europeia, o que poderá levar a mais conflitos dentro e entre os Estados membros.

Os nacionalismos tendem a aumentar, como provaram as últimas eleições europeias com vitórias de partidos ultranacionalistas, xenófobos e eurocéticos em Franç a (Le Pen), Polónia (Kaczynski) e Itália (Salvini).

Estes nacionalistas já são parte importante nas decisões da União Europeia. Conseguem impor as suas políticas em esferas tão importantes como as migrações, a luta às alterações climáticas e mesmo na redefinição do Estado de direito.

A própria nova Comissão Europeia de Ursula Von der Leyen é já reflexo de algumas imposições destas forças fascistas.

Como afirmou o negociador-chefe da UE para o Brexit, Michel Barnier, a saída do Reino Unido só pode ser resumida com a expressão “loselose”, todos perdem e haverá consequências negativas para todos os europeus.

Trump: Como se torna difícil escrever sobre alguém com ausência total de qualidade humana. Alguém sem escrúpulos, mentiroso, ignorante, xenófobo, mesquinho, machista e até criminoso.

Trump não irá parar de nos surpreender pela negativa.

Desde que tomou posse como presidente dos Estados Unidos só tem contribuído para um mundo mais desigual e perigoso.

Trump é hostil relativamente aos mais antigos aliados do seu país.

Raramente perde uma oportunidade para atacar a União Europeia e defender os líderes europeus que fazem da luta contra a própria UE a sua bandeira.

Traiu os curdos na Síria, abandonou os afegãos aos talibans e faz chantagem com sanções para quem não compra armas americanas, como os turcos e os indianos.

Já em 2020 ordenou o assassinato do Major General iraniano Soleimani.

Ação unilateral com consequências terríveis para milhões de iranianos, iraquianos e até americ anos. A primeira guerra mundial começou por menos.

Trump deverá ser reeleito e é pouco provável que o mundo não se torne ainda mais desigual e perigoso.

Texto escrito segundo as regras do Acordo Ortográfico de 1990

EVENTOS