Sociedade

Covid-19: Município da Batalha cria gabinete de crise e reforça desinfecção de espaços públicos

23 mar 2020 14:41

No âmbito das medidas tomadas para contenção da propagação do Covid-19, foi ainda decidido avançar para a desinfecção das ruas e espaços públicos, a partir de hoje.

covid-19-municipio-da-batalha-cria-gabinete-de-crise-e-reforca-desinfeccao-de-espacos-publicos
A higienização das ruas da Batalha começou hoje.
Câmara Municipal da Batalha

O Município da Batalha criou um gabinete de crise para acompanhar em permanência a evolução epidemiológica da Covid-19 e reforçou a desinfecção dos espaços públicos.

Perante o aumento dos casos positivos na região, o Município da Batalha considera que se encontra numa situação epidemiológica “com maior risco de transmissão activa”, pelo que foram determinadas “mais medidas contra o avanço da pandemia Covid-19”, refere uma nota de imprensa.

O presidente da Câmara Municipal da Batalha, Paulo Batista Santos, determinou a criação de um gabinete de crise para acompanhar a situação em permanência.

No âmbito das medidas tomadas para contenção da propagação do Covid-19, foi ainda decidido avançar para a desinfecção das ruas e espaços públicos, a partir de hoje.

As medidas adoptadas serão implementadas em todas as freguesias do concelho e passam por uma higienização mecânica com um produto com eficácia virucida durante 15/20 dias.

As operações de higienização abrangem equipamentos e espaços público, com enfoque nas zonas das caixas multibanco, espaços comerciais, farmácias, quiosques e principais arruamentos.

Estes trabalhos decorrerão durante o dia, porque o produto aplicado não tem quaisquer efeitos nefastos para as pessoas e animais, assegura a autarquia.

Em paralelo, acrescenta a mesma nota, continua a higienização/desinfecção do interior de todas as instalações municipais que têm colaboradores a assegurar serviços mínimos.

Paulo Batista Santos reforça o apelo a toda a população para que “cumpram o recolher obrigatório e fiquem em casa”, de modo a se protejerem individualmente e a toda comunidade.

“Caso assim não suceda, as autoridades irão começar a atuar e o risco de contaminação irá subir rapidamente”, alerta o autarca.

Em Portugal, há 23 mortes e 2.060 infecções confirmadas, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde.

Dos infectados, 201 estão internados, 47 dos quais em unidades de cuidados intensivos.