Viver

'Clap Your Hands Say F3st!' é o festival de Inverno de Leiria

29 dez 2016 10:35

Fade In, Rastilho Records e Omnichord Records juntaram-se para organizar evento único na música

Jacinto Silva Duro

O número três e os seus múltiplos giram à volta do festival Clap Your Hands Say F3st! Acontece ao longo de três meses, de Janeiro a Março, é organizado por três instituições - Fade In - Associação de Acção Cultural e as editoras de Leiria Rastilho Records e Omnichord Records, com uma parceria com a Câmara Municipal de Leiria - e haverá três concertos por mês - excepto Março, que encerra com o evento de busca de talentos Zus! e, por isso, conta com mais um espectáculo.

As três caras à frente da organização são Carlos Matos, da Fade In, Hugo Ferreira, da Omnichord Records, e Pedro Vindeirinho, da Rastilho Records. O trio comunga de uma amizade de longa data, cimentada pela paixão da música.

Não obstante, todos são fiéis à sua própria linha estética e musical. O Clap Your Hands Say F3st!, nome inspirado no quinteto de Brooklyn (E.U.A.) Clap Your Hands Say Yeah, será um evento onde não haverá “grandes nomes da música nacional”, até porque um dos objectivos é promover novos projectos locais e nacionais.

Como tal, não será de estranhar encontrar no cartaz previsto para o Teatro Miguel Franco duas dezenas de bandas e artistas de Leiria, Coimbra, Porto, Guimarães, Lisboa e de outras cidades do distrito, como Caldas da Rainha ou Pombal.

A organização acredita que esta será uma oportunidade importante para, em 2017, promover um novo festival dedicado à música, criando um espaço na agenda cultura da cidade para um evento dentro de portas no primeiro trimestre de cada ano.

Carlos Matos recorda que a Omnichord Records edita, em exclusivo, bandas de Leiria, enquanto a Rastilho Records está sediada na cidade, mas dedica-se a projectos de todo o País.

"Por fim, a Fade In tem uma grande experiência em trazer bandas internacionais a Leiria. Era importante dar oportunidade aos grupos locais de estarem presentes no projecto. Os colectivos que convidámos são bastante eclécticos e díspares, em termos estéticos, já que interessa nos mostrar as várias vertentes que existem na cidade, da electrónica ao metal, pop, songwritting ou rock progressivo. É importante mostrar toda esta riqueza e variedade", refere.

Aliás, a miscigenação de estilos é um dos aspectos mais interessantes deste Clap your hands and say F3st! Para criar a programação, foram celebrados vários casamentos entre diferentes vertentes musicais com o intuito de colocar em destaque a disparidade de conceitos.

"Leiria caminha para se tornar uma cidade aberta a todos os géneros e pessoas", diz o promotor musical que admite que, entre os motivos que levaram as duas editoras e a Fade In a associar-se à Beat Club, que era um espaço preferencial para este tipo de eventos em Leiria.

"Havia uma lacuna que era preciso preencher." Já Hugo Ferreira recorda que os projectos em conjunto não são de agora. Recentemente, a Omnichord Records resolveu editar vinis das suas bandas.

A maneira mais fácil de o fazer? Pedir a colaboração da Rastilho Records, de Pedro Vindeirinho, casa que, pela sua experiência, tinha maior facilidade em auxiliar na operacionalização do lançamento desses LP. Mas, houvesse apenas uma palavra que resumisse este festival e ela seria "união".

Uma programação para bater palmas e fazer a festa!

Janeiro
Dia 06 – The Twist Connection + Horse Head Cutters
Dia 13 – Ghost Hunt + Dream Pawn Shop
Dia 27 – Quinta-feira 12 + Country Playground

Fevereiro
Dia 03 – Cave Story + These Are My Tombs
Dia 10 – Surma + Marciano
Dia 24 – Mira, Un Lobo + Morphing Treeman

Março
Dia 03 – Ditch Days + Xpressão Lírica
Dia 10 – Nice Weather for Ducks +Aeon Pulse
Dia 24 – Toulouse + A Last Day on Earth
Dia 31 – Zus! + O Gajo

Leia mais na edição impressa ou torne-se assinante para aceder à versão digital integral deste artigo.

EVENTOS