Opinião

O “diálogo” do “vazio”

7 mar 2019 00:00

Do que vejo no texto, que, tanto quanto me é dado observar, é posição partilhada por muitos professores, só as visitas de estudo correspondem a este objetivo.

Meu Caro Zé,

Perante as convulsões sociais que, agora, em Portugal, apesar da “geringonça” (ou será por causa dela?) avassalam a sociedade portuguesa, em que as “corporações” pedem contas a quem tanto prometeu, veio-me à lembrança um pequeno extrato de um livro de uma escritora, também professora do ensino secundário, Isabela Figueiredo que, no seu livro A gorda, escreve:

“O tempo passa, o ano letivo corre. Trabalho a mais, sempre mais do que é devido e se pode suportar. A maior parte das vezes para nada. Testes, fichas, folhas de Excel, metas, planificações, papéis, relatórios, projetos e atas que levam dias a preencher e nunca ninguém lerá. Trabalho kafkiano. Não-trabalho. Visitas de estudo. Atividades na escola. Longas reuniões constantes sobretudo, cuja conclusão é nada. Essência do vazio.”

E as aulas, ou seja, os “tempos de contacto” entre os professores e os alunos?

Do que vejo no texto, que, tanto quanto me é dado observar, é posição partilhada por muitos professores, só as visitas de estudo correspondem a este objetivo.

Mas a escola não é exatamente um espaço para esse encontro? Não existe? Ou será que o professor que faz esta avaliação e se queixa do vazio não se queixa dos tempos de contacto, nem dos alunos, mas de tudo aquilo que impede esse contacto e, portanto a valorização do aluno, que é também a valorização do professor, e, consequentemente, da sociedade?

Então, no caso dos professores, e sem discutir a legitimidade de uma luta pelo que acham ser os seus direitos (tal como os de outras corporações), não faria mais sentido protestar, previamente, pelo conteúdo do “trabalho” (no texto, de facto, o “não-trabalho”!), para que a sua “luta” seja mais bem atendida e aceite pela sociedade?

Os professores dirão que a culpa não é deles, mas da organi

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.

Se efectivar a sua assinatura durante o mês de Maio, 10€ reverterão para o combate à fome na nossa região.

#SEMFOMENAREGIÃO

Junte-se a uma grande causa

Ao assinar o Jornal de Leiria durante o mês de Maio, está a contribuir com 10€ para o combate à fome na nossa região.

Uma iniciativa com o apoio Makro

Saiba mais aqui.