Opinião

Inversões

25 jan 2018 00:00

As agora chamadas fake news (noticias falsas) são igualmente uma expressão em voga nas redes sociais e que pode remontar à arte da retórica, como à do aldrabão.

Do encontro com um personagem real, reflexões, analogias e comparações invertidas vieram à luz num ano onde o sete deu lugar ao oito, transformando o ano. Mas o oito invertido continua a ser um oito, ora que um seis ao inverso passa a ser um nove.

No diálogo com o personagem, compreendemos a um momento este feito: Que as árvores não dão frutos, somos nós que os tiramos.

A partir desta evidência, conseguimos por analogia entrever outras similitudes onde nada está lá para nos oferecer nada, mas que é o ser humano que usa e por vezes abusa da natureza generosa das coisas.

Discutimos depois um evento, onde o que é dito e o que de facto se passou inverte o interesse pessoal, pela maneira como é dito e colocado num contexto, quando o ato em si não estava ligado a esse contexto mencionado mas a um outro.

Aquando da Lisboa Capital Europeia da Cultura 94 foi organizada a primeira exposição de Fado, com Amália Rodrigues convidada para a inaugurar. O responsável pela exposição faz uma palestra e fala de um dos vestidos de Amália com as mangas rasgadas usado em Paris nos finais dos anos 60.

Faz a relação dos rasgos com a revolução de Maio de 68 e diz que ela se insurgiu no palco e rasgou as mangas como eco à causa da revolução. Ora, Amália, que estava presente, acompanhada do personagem real, disse-lhe: 'mas não foi nada disso!

Eu estava apenas a ensaiar as luzes para o espetáculo no palco com o vestido que iria usar e ao sair para o camarim a manga prendeu-se num cabo e rasgou-se. Ora eu, no camarim, resolvi descoser ainda mais e descoser a outra manga. Até anulei uma entrevista para poder acabar os rasgos'.

Esta necessidade de reinventar as coisas, dando um outro ar, ora que a manga rasgada nada tinha a ver com a revolução em Paris, faz-nos lembrar outras inversões, sobretudo na política e na forma de inverter o sentido das mesmas sem refletirmos na autenticidade.

As agora chamadas fake news (noticias falsas) são igualmente uma expressão em voga nas redes sociais e que pode remontar à arte da retórica, como à do aldrabão. Afonso Lopes Vieira, poeta de Leiria, colaborou em jornais fazendo passar novas ideias.

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.

Já é assinante? Inicie aqui
SAIBA COMO