Opinião

Carnaval e Quaresma

3 mar 2017 00:00
moises-espirito-santo-sociologo
Moisés Espírito Santo, sociólogo

Quaresma significa, em latim (‘quadragesima’), «quarenta» (dias) antes da Páscoa, a partir da terça-feira gorda. No entanto, são sete semanas antes da Páscoa.

A referência era a Páscoa. Esta foi a festa da «primeira lua-cheia depois do equinócio da Primavera» (de que falaremos a seu tempo neste espaço), sendo a Lua a deusa máxima, parceira do Sol, nas culturas do antigo Médio-Oriente e do Mediterrâneo.

O número 7, prestigiado ou sagrado, remete para o calendário lunar que é o mais antigo que se conhece e que todos podem controlar; fixa-se em 28 dias durante os quais se desenrolam as quatro fases da lua (7x4).

A actual semana de sete dias, conhecida desde os tempos mais remotos, tem essa origem lunar, enquanto muitos povos também seguem o ano lunar.

Falemos do Carnaval. Teve um nome alternativo, Entrudo (do latim ‘introitus’, «entrada», da Quaresma) caído em desuso. O actual termo Carnaval é do léxico das línguas do sul da Europa, tal como os festejos ligados a ele, com especial atenção para a Itália.

O Carnaval (do actual calendário) já era festejado na antiga Pérsia, que tinha por capital Babilónia, com máscaras e facécias grotescas, no século IVº a.C., como sendo o início das tais sete semanas antes da primeira lua-cheia depois do equinócio da Primavera, festa da Lua.

O nome Carnaval provém da língua dessa região: ‘qarr nabal’ que significa «festa dos loucos». O termo devia ter sido difundido na Bacia Mediterrânica pelos povos vindos dessas regiões e que se chamaram fenícios e cartagineses.

*Sociólogo

Leia mais na edição impressa ou torne-se assinante para aceder à versão digital integral deste artigo.