Login
Esqueci a password

Se esqueceu o seu Username ou a sua Password envie-nos o seu e-mail e receberá os seus dados de acesso por e-mail.

Se não sabe que endereço de e-mail utilizou no seu registo, por favor contacte os nossos serviços através do nosso e-mail assinantes@jornaldeleiria.pt.

Para procurar palavras exactas utilize aspas. Ex: "Castelo de Leiria" "Jornal de Leiria"
Área restrita

A secção que pretende aceder é restrita a assinantes do Jornal de Leiria. Para se tornar assinante vá à área Assinatura.

Se já for assinante da edição impressa, pode registar-se na edição online, sem custos adicionais.

Caso já tenha um registo, efectue login.

Rocim comemora 10 anos com presença em 28 países

Economia

17 Julho 2017

Rocim comemora 10 anos com presença em 28 países

60% das vendas da empresa estão nos mercados internacionais.

No novo site, a assinalar 10 anos de actividade da empresa Rocim, do Grupo Movicortes, lê-se a páginas tantas que o prazer cultiva-se. A expressão assenta que nem uma luva no espírito que guia os projectos Herdade do Rocim e Vale da Mata, desde 2007 a transformar sonhos e afectos em obra construída. Por detrás da razão dos números – 900 mil garrafas vendidas em cada ano que passa, em Portugal e no estrangeiro – há a emoção de um amor antigo pelo vinho e o peso de uma tradição familiar que tem raízes na vinha.
 
"Um dos meus avôs [Manuel Alves Vieira] era produtor de vinho e o outro [Cesar Cunha] era comerciante de vinhos", lembra Catarina Vieira, gerente da Rocim, para quem "as vinhas e a viticultura" surgem como algo "bastante natural". Se o apelo da agricultura existe "desde sempre", o negócio vem por acréscimo da paixão. "Quando se investe, tem de haver prazer e gosto", sublinha a empresária, agrónoma e enóloga.
 
As marcas Rocim chegaram ao mercado em 2007, coincidindo com a inauguração da adega no Baixo Alentejo, após sete anos de reestruturação, qualificação e plantação de novas vinhas e castas na herdade localizada entre Cuba e a Vidigueira, adquirida pelo Grupo Movicortes no ano 2000. Uma propriedade com 120 hectares, dos quais 70 são área de vinha. Outra zona de produção situa-se nas Cortes, concelho de Leiria, de onde a família é natural. O percurso ascendente encontrou na morte do fundador, José Ribeiro Vieira, em 2012, o momento mais desafiante. "Era a pessoa que mais se identificava com o projecto", recorda a filha, Catarina Vieira. Alguém para quem a terra significava o maior património que se pode passar de geração em geração.
 
Hoje, os vinhos Mariana, Olho de Mocho, Herdade do Rocim, Grande Rocim e Vale da Mata estão em 28 países, da Alemanha aos Estados Unidos da América, passando pelo Brasil e por Angola, sem esquecer a China, já uma fatia importante das vendas no mercado da exportação, que representa 60% do volume de negócios.
 
Leia mais na edição impressa ou torne-se assinante para aceder à versão digital integral deste artigo.
Jornal de Leiria
RedacçãoJornal de Leiria redaccao@jornaldeleiria.pt






Os comentários são da exclusiva responsabilidade do utilizador