Sociedade

Quando sono, ruído e stress não faltam ao trabalho

29 abr 2018 00:00

Para quem trabalha por turnos, exposto às intempéries, sujeito a stress ou a dores músculo-esqueléticas existem sempre pequenos truques que minimizam o mal-estar

quando-sono-ruido-e-stress-nao-faltam-ao-trabalho-8565
Daniela Franco Sousa

Todos os empregos têm aspectos agradáveis e outros menos positivos. Mas existem algumas profissões que, seja pela dureza dos turnos ou pela exposição continuada às intempéries, ao ruído, ou ao stress, exigem muito mais da saúde física e mental dos trabalhadores.

Um vidreiro, um pescador, uma comercial da indústria de moldes e um auxiliar de recolha selectiva de cartão e plástico expõem, na primeira pessoa, os aspectos da sua rotina que mais contribuem para a degradação da saúde e referem, por outro lado, de que estratégias e equipamentos se servem para atenuar esses constrangimentos da profissão.

José Ramos, de 34 anos, trabalha há cinco numa fábrica de vidro de embalagem e consegue identificar perfeitamente as característica do seu emprego que, a curto e a médio prazo, contribuem para a degradação da saúde física e mental dos colaboradores.

Numa indústria deste género, explica José, não são apenas os operários que laboram mais próximo dos fornos de vidro que sofrem com os efeitos das altas temperaturas. Quem, como ele, tem de passar o dia a caminhar entre zonas de maior e menor temperatura, acaba por ter as constipações como certas.

Nos últimos meses, as suas tarefas têm vindo a dividir-se. Às vezes fica responsável por manobrar o paletizador, ora em zonas mais quentes, ora em zonas mais frescas da unidade. Outras, fica responsável por aferir a qualidade da matéria- prima. É sobretudo com esta função que mais sofre os efeitos da oscilação da temperatura, porque tem de se aproximar do calor intenso do forno, “um calor de Inferno”, para sair de seguida para outro local, fresco, onde analisa a qualidade da garrafa. “Se por acaso me constipo nunca mais me curo, porque estou a transpirar quando passo por correntes de ar”, justifica.

Na área da fabricação, constantemente junto aos fornos, os trabalhadores “bebem litros e litros de água. Também não dá saúde nenhuma”, admite o operário. Mas o pior, defende José, é trabalhar por turnos com horários que mudam a cada 24 horas. “Nunca entramos dois dias à mesma hora”, realça o jovem.

“Hoje acordei às 4 horas, para entrar no emprego às 5 horas. Quando saí às 13 horas tive de dormir uma sesta. Se não o fizesse andava rabugento e sem paciência. Tive de aproveitar o final de tarde e terei de aproveitar a manhã de amanhã, porque vou trabalhar às 13 horas”, relata o operário.

Quando não tem qualquer hipótese de descansar à tarde reconhece que lhe falta a paciência e muitas vezes vê-se envolvido em discussões sem nexo com a família. Uma vez que os operários trabalham todos os dias neste registo, até durante o fim-de-semana e nos feriados, as empresas atribuem dias de compensação, para que os funcionários possam parar ao longo do ano quando se sentem cansados.

O problema, aponta o jovem, é que nem sempre é oportuno para a fábrica ceder os dias nas datas solicitadas pelos trabalhadores e, sem essas pausas, adensa-se o cansaço, nota o operário.

No entanto, realça, para atenuar alguns destes efeitos, a empresa disponibiliza vestuário e equipamentos de protecção. Esses artigos são: tampões para proteger os ouvidos do ruído; óculos para proteger os olhos de eventuais estilhaços; luvas para manuseamento das garrafas; botas com biqueira de aço, para protecção dos pés; vestuário fresco para fazer face ao calor; e boné, que serve para proteger a cabeça e, sobretudo, impedir a contaminação dos produtos com cabelo.

Faina sob o sol, o vento e a chuva

Aos 40 anos, João Paulo Delgado, da Nazaré, leva cerca de 13 anos na pesca. João Paulo costuma pescar em embarcações de pesca local (até 9 metros) e de pesca costeira (de 9 a 24 metros) que, salvo excepções de dois ou três dia no mar, costumam regressar à costa diariamente. E é em função da época do ano ou do tipo de arte de pesca que os pescadores adaptam os seus horários.

 

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.

Já é assinante? Inicie aqui
SAIBA COMO