Sociedade

Quando o António Padeiro inventa um restaurante italiano

3 abr 2019 00:00

Fiore di Zucca, na Praça 25 de Abril, em Alcobaça.

quando-o-antonio-padeiro-inventa-um-restaurante-italiano-10081

Para quem conhecia o Estremadura Café, não tem nada que enganar – a pizzaria Fiore di Zucca funciona no mesmo espaço, com olhar de privilégio sobre o Mosteiro, a partir do número 80 da Praça 25 de Abril.

É o novo projecto de Francisco Ventura e Ana Branco, também responsáveis pelo mais conhecido dos restaurantes no centro histórico de Alcobaça, o inconfundível António Padeiro, que fica mesmo ali, a dois passos.

Se no António Padeiro sugerem cozinha típica de raiz portuguesa, no conceito Fiore di Zucca – literalmente, flor de abóbora – também manda a tradição, mas de outras latitudes. O foco da ementa são as pizzas rústicas e massas frescas à boa maneira italiana, com produtos certificados, receitas caseiras e métodos artesanais.

Todos os pormenores contam: forno a lenha da marca Marana, com origem em Itália, farinha 5 Stagioni de moagem doppio zero (a mais refinada), massa com pelo menos 48 horas de maturação e uma selecção de enchidos e queijos de denominação DOP, ou seja, selo de origem protegida.

Até o pizzaiolo tem ascendência italiana – chama-se Gabriel, é brasileiro, apelido Ferrari, como os automóveis com sede em Maranello.

Tudo isto revela Francisco Ventura, para quem o projecto Fiore di Zucca é a concretização de uma ideia antiga, que vem preencher uma falha na oferta gastronómica do casco antigo de Alcobaça. “A intenção é dinamizar a esplanada e captar alguns dos turistas que nos visitam”, explica ao JORNAL DE LEIRIA.

A nova pizzaria abre portas diariamente nos períodos de almoço e jantar e encerra para descanso todas as quartas-feiras. 

Produtos de origem certificada. É o registo clássico, na versão restaurante italiano em Portugal: antipasti, pizzas, pastas e dolci.

Começando pelo princípio, destaque, entre outras opções, para o affettato misto (6 euros), uma tábua de enchidos italianos, com mortadela de Bolonha, presunto de Parma, azeitonas, manteiga frutada e patê de fígado de galinha; o misto formaggi al miele de tartufo (7,50 euros), que combina queijos italianos com mel de acácia com trufa branca; e o carpaccio di manzo (6,50 euros), ou seja, lombo temperado com parmiggiano, alcaparras, rúcula e pinhões.

Depois das entradas, as pizzas, que são o prato forte do Fiore di Zucca. Há 14 variedades, entre 7,50 e 10,50 euros. Algumas sugestões: Bosco (mozzarella, cogumelos e creme de trufas negras), 4 Formaggi (mozzarella, provola fumada, mascarpone e gorgonzola picante), Sud (tomate, alcaparras, anchovas e azeitona taggiasche), Inferno (tomate, mozzarella, cebola, cogumelos e malagueta verde), Pesto (tomate, mozzarella e pesto alla genovese) ou mesmo a vegetariana (tomate, mozzarella, courgette, beringela, pimentos e reggiano).

Nas pastas, duas possibilidades: lasanha vegetariana ou cafereccia (ambas 7,50 euros).

Os doces, todos a 3 euros, incluem gelados, panna cotta com salada de framboesas, tiramisù e cassata siciliana, que na receita tradicional junta queijo ricotta, pão de ló e fruta cristalizada.

No restaurante Fiore di Zucca não faltam, também, os vinhos de Itália, entre 8,50 e 16,50 euros: Lambrusco Rosato Amabile, Prosecco Conegliano Valdo Extra Dry, Trebbiano Marche, Pinot Grigio, Pinot Nero e Primitivo Salento.

EVENTOS