Viver

Para fora cá dentro: À descoberta da floresta original do Vale do Lapedo

19 jan 2020 12:30

Conhecer o Portugal natural de há dois séculos

Vale do Lapedo
Vale do Lapedo
Ricardo Graça
Vale do Lapedo
Vale do Lapedo
Ricardo Graça
Vale do Lapedo
Vale do Lapedo
Ricardo Graça
Vale do Lapedo
Vale do Lapedo
Ricardo Graça
Vale do Lapedo
Vale do Lapedo
Ricardo Graça
Jacinto Silva Duro

A criação de um parque de merendas e um espelho de água no Lapedo transforma, ao fim-de-semana, o, outrora tranquilo e intocado vale, num local de romaria, para famílias em traje de passeio, equipadas com cestos de piquenique e grelhadores para desfrutar o espaço.

Nos idos de 60, 70, 80 e 90 do século passado, quando o calor começava a apertar, os rapazes e raparigas, das freguesias da Boa Vista, Caranguejeira e Santa Eufémia corriam a refrescar-se nas águas geladas da cascata e da praia improvisada na curva que a Ribeira do Sirol descreve, mesmo no centro do vale cársico.

As tardes dos domingos de Agosto acabavam, inevitavelmente, com uma cartada ao sol, na eira da “casa abandonada” junto ao curso de água, ou com uma visita a uma das várias grutas da zona.

Obrigatória ainda, era a “bucha”, antes de regressar a casa: uma sandes embrulhada num guardanapo de papel e enfiada dentro de um saco de plástico, que fazia o caminho desde casa, presa ao guiador da bicicleta.

Se as condições fossem as ideais, haveria ainda tempo para roubar algumas doces laranjas do pomar ali ao lado.

Mas os tempos mudaram e o Lapedo também.

O vale, cujo território é partilhado pela Freguesia da Caranguejeira e União de Freguesias da Santa Eufémia e Boa Vista, foi parar às bocas do mundo quando, no dia 28 de Novembro de 1998, arqueólogos descobriram o local de enterramento de uma criança pré-histórica que mostrava sinais de resultar de um cruzamento entre duas espécies distintas de humanos modernos - homo sapiens e homo neandertal -, obrigando a reescrever a história da espécie.

O interesse pelo local aumentou e os visitantes provocavam engarrafamentos na estreita estrada que atravessa o vale, situado a cerca de 13 quilómetros de Leiria.

As caminhadas no local podem ser realizadas durante todo o ano, mas as melhores épocas são os meses mais húmidosCom o passar do tempo, o local, de grande interesse natural, por nos permitir ver como era a floresta original da região, antes da eucaliptização e plantação intensiva de pinheiros no século XX, voltou a cair no esquecimento. 


Assim esteve até que ali foram criados dois grandes estacionamentos e um parque de merendas, dotado de instalações sanitárias, bar, mesas e parque infantil.

Existe ainda um grande espelho de água que, apesar das proibições, é muito procurado pelos jovens para mergulhos no Verão.

Centro de Interpretação do Abrigo do Lagar Velho
Este espaço situado no Vale do Lapedo dá a conhecer aos visitantes os resultados da investigação realizada no sítio arqueológico do Abrigo do Lagar Velho e a sua contextualização na história da evolução humana. 
O Menino do Lapedo, achado arqueológico datado de há cerca de 24.500 anos, corresponde a uma criança, que permite documentar um tipo de mosaico resultante de uma miscigenação entre homo sapiens e homo neandertal

No estreito vale, com cerca 1,5 quilómetros de extensão, a natureza é luxuriante, apesar da pressão human

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.

Já é assinante? Inicie aqui
SAIBA COMO
EVENTOS