Entrevista

Luís Pinto: “Nos anos 90 éramos ricos”

5 dez 2019 12:04

O fundador do Académico de Leiria, que está a comemorar 45 anos, revela as conquistas e os problemas por que passou a associação ao longo de duas décadas.

Luís Pinto fundou o Académico de Leiria com 13 anos
Ricardo Graça

Leia aqui a segunda parte da entrevista

Quais os principais marcos destes 45 anos de Académico?
Um dos momentos que marca o Académico é, desde logo, a sua nascença. Fomos a primeira associação jovem criada em Portugal e ainda nem sequer havia esse estatuto. Tínhamos 13, 14, 15 anos e só viríamos a legalizar o clube em 1979/80. Começámos por uma brincadeira no Verão de 74. Era habitual nos principais bairros de Leiria organizarem-se equipas de futebol para se fazerem torneios. Em 75 organizámos uma prova de atletismo. Praticávamos tudo o que nos desafiavam. Foi em 2003 que nos tornámos numa instituição particular de solidariedade social e que decidimos a viragem para a área social, reduzindo a componente desportiva, que a partir de 2008 resultou na ausência de desporto federado. Entendemos que o dinheiro que gastávamos em competição desportiva devia ser colocado de uma forma mais efectiva ao serviço dos cidadãos. Gastávamos cerca de 300 mil euros por época só no andebol e na natação.

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.

Se efectivar a sua assinatura durante o mês de Maio, 10€ reverterão para o combate à fome na nossa região.