Opinião

Tito Larcher (I)

26 jan 2018 00:00

Em Julho, publica um sentido apelo de ajuda aos cidadãos porque o dinheiro da câmara não chega, a Junta Geral do Distrito “nem sequer responde” e a riquíssima Associação Comercial diz que não tem recursos.

Li no último fim-de-semana todos os exemplares do “Jornal de Leiria” (JL) publicados em 1918. Sabia que o Museu de Leiria comemora este ano 100 anos de vida difícil. Mas não estava preparado para seguir de tão perto a verdadeira tragicomédia que se vai desenrolado ao longo do ano nas páginas do JL.

Primeiro, Tito de Sousa Larcher é nomeado director-conservador do Museu Regional de Leiria, cargo que acumula com o de bibliotecário-arquivista da biblioteca e do arquivo distrital, tudo instalado em precárias condições no ex-Paço Episcopal (onde, hoje, é a PSP). Nenhum cargo é remunerado.

Estamos em Janeiro (nº51, 24-01). Em Fevereiro, a Comissão Administrativa da Câmara visita oficialmente as instalações e promete “empregar todos os esforços” para auxiliar as três instituições (nº53, 14-02). E Larcher toma posse, em Lisboa, do cargo de director do museu (nº55, 28-02).

Em Julho, publica um sentido apelo de ajuda aos cidadãos porque o dinheiro da câmara não chega, a Junta Geral do Distrito “nem sequer responde” e a riquíssima Associação Comercial diz que não tem recursos (nº73, 11-07).

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.

Já é assinante? Inicie aqui
SAIBA COMO