Opinião

Teorias (relativamente) rurais

13 set 2021 15:45

Formidáveis zeladores do bem comum, são estes os melhores e mais sãos exemplares do 'Homo lisensis'

É com muito interesse que acompanho as tendências do pensamento local sobre os grandes temas da actualidade.

Dos muito interessantes apontamentos médicos partilhados no último ano sobre epidemiologia e pandemias, avançamos agora para clarificações sobre sociedades tribais da Ásia central.

Saberes complexos que, juntando-se ao debate futebolístico, provam a vitalidade de uma cidadania educada, preocupada não só com o que se passa cá dentro, mas também conscienciosa do mundo lá fora!

É com naturalidade que entre cestas de peras e morcelas hoje se ouvem vozes discorrer sobre os méritos de uma terceira inoculação, ou sobre as dificuldades do aparelho militar ocidental penetrar no Caracórum.

É junto de pensadores deste calibre que os candidatos autárquicos terão de recolher apoios para mais quatro anos de sacrifício.

Formidáveis zeladores do bem comum, são estes os melhores e mais sãos exemplares do Homo lisensis. Diligentes, puros, e com salários não consentâneos com as suas responsabilidades, estes homens encontrar-se-ão no final do mês com o sempre sabedor veredicto popular.

Mas na verdade – e aqui, sublinho, movido pelo pedagógico desígnio que geralmente me move – interessa clarificar que muito embora se constate a rotação das figuras de proa, a administração pública intermédia e os seus sombrios poderes se manterá inalterada, não escrutinada, e, como sempre, astutamente posicionada de forma vitalícia entre muros de papelada e nebulosas jurídico legais.

É este um modelo bem conhecido entre estados primitivos e em vias de consolidação, onde, segundo alguns reputados politólogos, a administração é sobretudo utilizada como manjedoura.

Serão estas, seguramente, as mesmas cabeças que hoje publicamente discorrem sobre o Afeganistão e sobre surtos pandémicos.

Temas populares, e que no fundo lhes são absolutamente desconhecidos, mas que autorizam a separação entre o café e o ensombrado escritório onde invisivelmente se detalham manigâncias e outros corruptos esquemas.

 

Texto escrito segundo as regras do Acordo Ortográfico de 1990

 

 

 

Assine Já Login

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?
Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.