Opinião

Podemos tratá-la por tu?

22 fev 2018 00:00
amelia-do-vale
Amélia do Vale

Compreendi a importância de um professor confiar nas capacidades dos alunos, de não ver os seus erros como fracassos, mas antes como oportunidades para eles aprenderem mais e com mais significado.

Psicologicamente sempre me senti um bocadinho hedonista e talvez por isso, para me afastar das penosas memorizações a que a maioria das cadeiras do meu curso me obrigavam, decidi ingressar no mundo do trabalho.

Nessa época, faltavam professores no país e foi-me muito fácil, apesar de ainda não ter estágio, arranjar uma escola secundária para dar aulas.

Algo receosa, mas muito mais seduzida pela novidade do desafio que tinha pela frente, apetrechei-me com algumas ferramentas: sabia que ia sentir a necessidade de estudar, diariamente, para responder a problemas concretos (finalmente!) de aprendizagem.

Todos os dias via a minha mãe, que era professora, a ler, a estudar, a planificar e percebi que eu teria de fazer o mesmo; da minha experiência como aluna conhecia as características dos professores que para mim foram uma inspiração.

Com a D. Lucília (só os professores homens eram Dr.) professora de Francês, que nos obrigava a assinar o Paris Match e a ler literatura francesa para nos mostrar o Mundo, percebi a necessidade de intelectualizar a minha função docente e de assumir o dever moral de fomentar e promover no grupo turma a aprendizagem de matérias suportados em processos de reflexão crítica.

Com a D. Ana Maria, professora de Matemática, compreendi a importância de um professor confiar nas capacidades dos alunos, de não ver os seus erros como fracassos, mas antes como oportunidades para eles aprenderem mais e com mais significado; com a Dra. Ludovina, minha professora nas práticas de genética na faculdade, aprendi o valor da humildade no perfil de quem detém algum poder sobre os alunos.

E foi assim, apetrechada com estas ferramentas, que no primeiro dia de aulas, ao comunicar aos alunos a necessidade de nos relacionarmos com respeito, um aluno mais espigadote me perguntou: - Então quer dizer que, desde que haja respeito, nós a podemos tratar por tu?

Aflita, mas sem perder a pose, rapidamente recorri às minhas ferramentas e não encontrando justificação para responder - não! - respondi: - Claro que sim!

Percebi de imediato que, com esta resposta, as minhas necessidades de estudo se tinham ampliado enormemente. Pus-me a estudar pedagogia, didática, artigos científicos, filosofia e ética, diários de professores, eu sei lá!

Só sei que aquele meu primeiro ano na docência correu às mil maravilhas: os alunos também levaram a peito aquela coisa de me tratar por tu e os que conseguiram fazê-lo puseram-se a estudar para não me dececionar; os colegas que iam espiar as minhas aulas (por causa do “tu&rd

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.

Já é assinante? Inicie aqui
SAIBA COMO