Login
Esqueci a password

Se esqueceu o seu Username ou a sua Password envie-nos o seu e-mail e receberá os seus dados de acesso por e-mail.

Se não sabe que endereço de e-mail utilizou no seu registo, por favor contacte os nossos serviços através do nosso e-mail assinantes@jornaldeleiria.pt.

Para procurar palavras exactas utilize aspas. Ex: "Castelo de Leiria" "Jornal de Leiria"
Área restrita

A secção que pretende aceder é restrita a assinantes do Jornal de Leiria. Para se tornar assinante vá à área Assinatura.

Se já for assinante da edição impressa, pode registar-se na edição online, sem custos adicionais.

Caso já tenha um registo, efectue login.

Opinião

Paulo José Costa Voltar

15:23 - 24 Janeiro 2019
Nas páginas da lucidez

Nas páginas da lucidez

Ler é expandir a emoção para ínfimos horizontes.

Ler é das virtudes mais libertárias que temos à nossa disposição. É muito mais que um gesto ou movimento deliberado. Ler é linguagem universal, coisa aprendida que cumpre a função fisiológica de revigorar os estados que transportamos na alma.

A leitura é palco de dilatação da presença. Folhear as páginas de um todo composto por alguém que urdiu vocábulos, na convicta intenção de enredar o leitor enquanto agente activo do conteúdo narrado, é um simples propósito da condição evolutiva que está ao alcance de cada ser humano.

Há textos e livros, versos e citações, poemas e aforismos que conferem ao leitor a dimensão de instrumento existencial, fulcro para a romagem que revigora o pensamento. E pensar por via de um escrito, mais não é que uma decifração no plano ilimitado das vivências que fazemos em páginas de evasão, pressentida fuga ao vazio em que nos movemos e emergimos.

Seria possível evoluir sem que um pequeno e incipiente acto de leitura, ou mais do que isso, um particular conto ou livro, fábula ou lenda nos tivessem acometido de surpresa ou transformado o raciocínio? É bem possível que não.

Pelo menos, na contemporânea forma de vida em que até um simples gesto é lido e interpretado, na herdada filogenia que trazemos à imaginação. E até mesmo o assombro ou desassossego cabem no plano aberto de um livro, transformando-nos ou redefinindo-nos a razão.

Olhar uma história nas suas texturas e detalhes é conduzir a atenção e a consciência para o mundo que trazemos por dentro do pensamento.

Ler é expandir a emoção para ínfimos horizontes.

Na ambição do futuro progredimos nessa captura de alentos, lugares para onde vai incidindo o silêncio e a sombra  

LER MAIS

Faça para ler a totalidade do artigo ou registe-se e aceda à versão integral deste texto





Os comentários são da exclusiva responsabilidade do utilizador
14 Fevereiro 2019