Login
Esqueci a password

Se esqueceu o seu Username ou a sua Password envie-nos o seu e-mail e receberá os seus dados de acesso por e-mail.

Se não sabe que endereço de e-mail utilizou no seu registo, por favor contacte os nossos serviços através do nosso e-mail assinantes@jornaldeleiria.pt.

Para procurar palavras exactas utilize aspas. Ex: "Castelo de Leiria" "Jornal de Leiria"
Área restrita

A secção que pretende aceder é restrita a assinantes do Jornal de Leiria. Para se tornar assinante vá à área Assinatura.

Se já for assinante da edição impressa, pode registar-se na edição online, sem custos adicionais.

Caso já tenha um registo, efectue login.

Opinião

João Bonifácio Serra Voltar

15:59 - 16 Setembro 2019
Não será demasiado fácil?

Não será demasiado fácil?

Que aprendemos sobre nós próprios através do processo de produzir coisas concretas?

A história que aqui vou recontar, encontrei-a em Richard Sennett, na obra que dedicou ao trabalho manual, The Craftsman (2008). Neste livro, Sennett, que foi aluno de Hanna Arendt, retoma preocupações da sua antiga grande professora (“um bom professor difunde uma explicação satisfatória, enquanto um grande professor origina inquietação, transmite intranquilidade, convida a pensar”), nomeadamente quanto aos limites da criação e uso de tecnologias.

O resultado desta discussão intelectual é um poderoso ensaio, recheado de interpretações estimulantes.

Sennett propõe-se resgatar da marginalização para que foi remetida pelas ciências sociais a cultura material. Que aprendemos sobre nós próprios através do processo de produzir coisas concretas?

Se tiramos prazer desse acto de fazer, se nos preocupamos com as qualidades dessas coisas, é porque afinal podem gerar valores. Talvez só possamos aspirar a uma vida material mais humana se compreendermos melhor a produção das coisas.

Vamos agora à história: a construção do edifício do Museu Guggenheim em Bilbau, por Frank Gehry.

As autoridades encararam a construção deste equipamento público como uma forma de inverter a crise da cidade portuária.

Escolheram Gehry, um arquitecto conhecido pela perspectiva escultórica dos seus trabalhos, desafiando-o a conceber a implantação de um edifício de elevada volumetria próximo de uma linha de água, que não se limitasse a uma caixa de vidro e aço.

Gehry esculpia edifícios com recurso a uma liga de chumbo e cobre, e assim concebeu uma estrutura acolchoada que desfocasse a luz e esbatesse a massa do edifício. Mas esbarrou contra a proibição espanhola desse material,  

LER MAIS

Faça para ler a totalidade do artigo ou registe-se e aceda à versão integral deste texto





Os comentários são da exclusiva responsabilidade do utilizador