Login
Esqueci a password

Se esqueceu o seu Username ou a sua Password envie-nos o seu e-mail e receberá os seus dados de acesso por e-mail.

Se não sabe que endereço de e-mail utilizou no seu registo, por favor contacte os nossos serviços através do nosso e-mail assinantes@jornaldeleiria.pt.

Para procurar palavras exactas utilize aspas. Ex: "Castelo de Leiria" "Jornal de Leiria"
Área restrita

A secção que pretende aceder é restrita a assinantes do Jornal de Leiria. Para se tornar assinante vá à área Assinatura.

Se já for assinante da edição impressa, pode registar-se na edição online, sem custos adicionais.

Caso já tenha um registo, efectue login.

Opinião

João Lázaro Voltar

17:02 - 19 Setembro 2019
Das coisas de que são feitos os dias

Das coisas de que são feitos os dias

Não sou escritor mas acredito na angústia do vazio.

Estava aqui a olhar para a página em branco e a pensar no que haveria de escrever. Sim, uma página em branco é mesmo assustadora.

Não sou escritor mas acredito na angústia do vazio. Não creio que muita gente se dê ao trabalho de ler as minhas modestas crónicas, mas enfim, algumas haverá e merecem-me respeito, pelo que tento sempre escrever sobre o que aos outros poderá interessar. Mas quem são estes outros? Gente comum, espero.

Por isso, vamos hoje conversar sobre coisas comuns, sobre coisas de que são feitos os dias e assim evitamos aquela resposta que não quer dizer nada mas que repetimos vezes sem fim quando nos cumprimentam com um “então como vai?” e atalhamos com o acostumado “cá se vai andando”.

Que diacho! Andando para onde? Porquê? Com que destino em vista? Nunca fui dado a grandes eventos, coisas épicas ou corajosas, daquelas que ficam para memória futura.

Isto de heróis – salvaguardando as honrosas exceções, que as há – são sempre reconhecidos a posteriori e quase sempre casos em que o herói em causa fugiu para o lado errado e sobreviveu.

Quando não sobrevivem damos-lhe o nome de mártires. Sou assumidamente dado à preguiça, sem propensão a heroísmos e não desejo que me lembrem como mártir. Contento-me em fazer as coisas como posso e sei.

Algumas vezes a coisa até sai bem, outras nem por isso. Importante é fazê-las suficientemente bem.

Aliás, se um dia, por mero acaso, atingisse os limites de mim mesmo que raio teria para fazer no dia seguinte?

Por isso, fico-me pelos pequenos gestos. Coisinhas simples, do quotidiano, daquelas que se fazem e recebemos o troco de imediato, moedas de pouco valor mas que se vão amealhando na nossa bolsa narcísica.

Exemplos? Sem fim se assim os quiser nomear. Na certeza porém que, mesmo que muito modestamente, estarei a contribuir para o bem-estar comum.

Por exemplo, evitar o uso do carro quando posso 

LER MAIS

Faça para ler a totalidade do artigo ou registe-se e aceda à versão integral deste texto





Os comentários são da exclusiva responsabilidade do utilizador