Opinião

Como fala um rico

16 mai 2019 00:00

Vivendo, como os ricos, na leveza do “usufruto”, sem ter de prestar contas ou satisfação a ninguém.

A prestação de Mr. Joe Berardo, o homem que quis comprar a Mona Lisa e não conseguindo começou a “sua” própria colecção de arte que agora “está onde ele quer, está no jardim prá gente ver”, na comissão de inquérito do Parlamento foi, a todos os títulos, exemplar.

Deixem-me explicar: Berardo falou como fala um rico. De cima para baixo. Sem humildade, sem compromisso. Como alguém que, tendo tudo, nada tem a perder.

Vivendo, como os ricos, na leveza do “usufruto”, sem ter de prestar contas ou satisfação a ninguém.

Rodeado de uma corte de engenheiros financeiros e de expeditos advogados, vive no último andar da impunidade, sem dívidas, na boa e em paz de espírito, criando a sua família e vigiando, ao de leve, os negócios que afinal não tem, a riqueza que afinal não gera, os impostos que não paga e a sua amada cultura que não lhe devolve nem o luto, nem o amor.

A mim não me surpreende o seu comportamento, completamente conforme à cartilha liberal e capitalista que todos, mais ou menos, aceitámos como única, chegando, muitos, a admirar o chico-espertismo-mor q

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.