Opinião

Cinema "Snu" – Uma simples história de amor com uma fotografia brilhante

8 abr 2019 00:00
bruno-carnide-cineasta
Bruno Carnide, cineasta

Opinião | "A controversa história de amor vivida entre Snu Abecassis uma dinamarquesa, fundadora das Publicações Dom Quixote -, e Francisco Sá Carneiro - fundador e líder do PPD-PSD, que mais tarde viria a ser primeiro-ministro de Portugal".

Snu é o mais recente filme da realizadora portuguesa Patrícia Sequeira, conhecida da realização de várias telenovelas e das bemsucedidas séries: Depois do Adeus e Terapia.

Depois da sua primeira longa-metragem Jogo de Damas (que passou um pouco despercebida do público), Snu assume-se como o maior projecto de cinema da realizadora, pelo menos de forma mediática, dada a temática que aborda.

Trata-se, então, de um filme biográfico que retrata a controversa história de amor vivida entre Snu Abecassis - uma dinamarquesa, fundadora das Publicações Dom Quixote -, e Francisco Sá Carneiro - fundador e líder do PPD-PSD, que mais tarde viria a ser primeiro-ministro de Portugal.

O romance, como todos sabemos, termina de forma dramática no famoso acidente de Camarate, quando ambos faziam o voo para o comício de encerramento do general Soares Carneiro, candidato à Presidência da República.

Tentando abordar a vida pessoal dos protagonistas, o filme acaba, sempre, por esbarrar na vida política, utilizando, por vezes, imagens de arquivo misturadas com imagens do filme que, de facto e, a uma primeira vista, pouco contribuem para o bom desenrolar da história, provocando por vezes alguma estranheza.

Fotograficamente brilhante - com assinatura de João Ribeiro - cada imagem é cativante ao ponto de nos fazer agarrar ao ecrã com vontade de ver mais e mais.

Com um argumento ligeiramente fraco, que acaba por não prender o espectador às personagens e à história, é a Fotografia que se destaca de forma exuberante nesta longa- -metragem.

De realçar a agradável surpresa de encontrar uma banda sonora da leiriense Surma, logo numa fabulosa sequência inicial premonitória.

Emprestando quatro músicas do seu último álbum Antwerpen, Surma, tem aqui um excelente filme em formato de álbum visual, uma vez que, o uso exagerado de música em demasiadas cenas, quebra o ritmo da história, e leva o espectador a focar-se na melodiosa sonoridade acompanhada das bonitas imagens que vê.

Em suma, Snu é um bom filme, não só para os que querem conhecer e relembrar esta polémica história de amor, mas, principalmente, para os amantes de uma boa Direcção de Fotografia, que conseguem aqui encontrar um admirável exemplo do que de melhor se faz em Portugal nesta área.

*cineasta