Opinião

0,8% de importância

12 abr 2018 00:00
joao-lazaro-psicologo-clinico
João Lázaro, psicólogo clínico

Os canais generalistas da TV abriram os serviços noticiosos com o tema, alguns jornais trouxeram o assunto para as gordas da primeira página.

Precisei de esperar quarenta e um anos – tantos quanto dedico à atividade cultural como seu modesto agente – para ver reconhecido o meu empenho.

Durante um dia interinho e umas quantas horas do dia seguinte fui abordado por conhecidos e outros que nem tanto, que me manifestavam o seu desconsolo, a sua profunda tristeza, a sua indignação, o seu veemente protesto pela patifaria de um ministro que maltratava a Cultura.

A coisa só demorou estas escassas trinta e poucas horas porque, no entretanto, o ex-presidente de um país no qual se fala um português achocolatado e do qual pouco sabemos para além de lá haver estâncias turísticas, um carnaval que é sinónimo de folia, para onde, amiúde, alguns viajam em negócios reservados a homens, e donde recebemos doses maciças de telenovelas, foi preso.

Aí a agulha da conversa pública mudou-se rapidamente e a xenofobia encapotada veio à tona, e lá vieram as vozes do costume dizer que além-atlântico é só corrupção e exportação de senhoras oportunistas que vêm para cá saracotear as formas e destruir a vida dos bem-casados. E o assunto da Cultura foi-se.

Também é verdade que um senhor presidente, não de um país, mas de um clube, armou uma escandaleira no facebook, e a páginas tantas os faladores e comentadores e opinadores oficiais já saltitavam de contentes entre um tema e outro, misturando os assuntos e confundido o café do Brasil com o café onde trabalha o brasileiro. E o assunto da Cultura foi irremediavelmente esquecido.

Há que esperar, pacientemente, pelos próximos episódios. Mas estou a fugir ao tema. As pessoas falaram, finalmente de cultura (com minúscula). Não foi muito, só um bocadinho, mas falaram, pois então!

Os canais generalistas da TV abriram os serviços noticiosos com o tema, alguns jornais trouxeram o assunto para as gordas da primeira página. E finalmente, neste país, a cultura (ainda em minúscula) teve um lugar de destaque ao invés dos escassos segundos finais ou das páginas restantes a que se acostumou e onde, frequentemente, é confundida com o comércio  

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.

Já é assinante? Inicie aqui
SAIBA COMO