Sociedade

A soma de todas as partes

15 mar 2018 00:00

O grande plano por Hugo Pereira

Lomografia de Hugo Pereira
Jacinto Silva Duro

Encaro a generalidade da fotografia como um ponto de vista singular, no meu caso, como uma pluralidade singular, a conjugação de várias imagens numa só, uma mescla única e irrepetível livre de predefinições, várias singularidades somadas numa única parte, a que realmente interessa.

Enquanto indivíduos, somos definidos por um conjunto de características que nos torna únicos e diferentes de todos os outros. O nosso percurso segue por uma linha imprevisível e inconstante, apenas o inicio é transversal a todos nós.

Todos somos obra da natureza, é essa particularidade que nos une, é essa singularidade que nos soma, a única que nos define a todos como um só.

As ideologias e crenças de cada um faz com que nos tornemos diferentes, mas o nosso ponto de partida é comum, por mais que nos distanciemos, a única verdade é que todos somos produto da natureza e é isso que me leva a evidenciar a simbiose do ser humano com a natureza, é essa a minha singularidade.

Não se trata de um despertar de consciências, é apenas um lembrete para que tenhamos sempre em mente quem somos e de onde viemos, a importância e peso desse legado é que é necessário relembrar para que não nos desviemos do que é vital, é essa a soma que tem que ser feita, é essa conjugação que tem que estar sempre presente em todos nós.