Viver

"Seria muito bizarro alguém dizer que não consegue ler Dante porque é ateu, ou que não lê Lorca porque é heterossexual" - Pedro Mexia

22 jan 2020 18:46

Escritor, crítico, dramaturgo, cronista e poeta, hoje, na livraria Arquivo, em Leiria, para um encontro com o público

seria-muito-bizarro-alguem-dizer-que-nao-consegue-ler-dante-porque-e-ateu-ou-que-nao-le-lorca-porque-e-heterossexual-pedro-mexia
Pedro Mexia
Jacinto Silva Duro

"A arte existe, porque a vida não basta." A frase de Ferreira Gullar é excelente "para dissipar aquilo que parece ser uma oposição arte-vida", fez notar ao público, que se deslocou ali, na quarta-feira, ao fim do dia para mais um encontro O que Pode a Arte?.

Mexia acredita que, quem diz que lhes basta o mundo, sem arte, sem letras, sem música, tem "uma espécie de distúrbio mental". 

Para justificar a afirmação, o autor exemplificou: "as pessoas lêem, ou dizem que lêem romances, para viverem centenas ou milhares de livros", apontando a necessidade de nos pormos na pele de uma outra pessoa, para entendermos o que elas sentem, as viagens, os sentimentos, as realidades alternativas ou mesmo as ideias que defendem.

É ridícula a ideia de que se pode aprender a língua, desprezando a literatura. Fico estarrecido com as luminárias do Acordo Ortográfico que defendem que a regra é pelo falado e não pelo escrito. Ora… nós nunca ouvimos o Camões a falar e veja-se o contributo dele para o nosso idioma. Aprendemos, em primeiro lugar, a língua porque a lemos. Foi a literatura quem fez evoluir a nossa língua. Não entendo os docentes que desvalorizam autores como Camilo, porque 'é difícil', em favor de outros textos ''mais fáceis'. Se a regra é 'basta que se entenda', não precisamos de um Acordo, basta acabar com a escrita. É preciso saber ler coisas difíceis. Se nunca o soubermos fazer, jamais saberemos ler um jornal
Pedro Mexia

O contributo da literatura na evolução da sociedade e da dignidade humana, e nos Direitos Humanos, é, para Pedro Mexia, inegável. "Um escravo do Louisiana, nos Estados Unidos do século XIX, não é igual a nós" e nós entramos em contacto com as suas experiências, através dos livros.

Apontando a mira a conceitos quotidianos, referiu que a moderna noção de amor entrou na nossa sociedade devido ao que os autores da Idade Média ou de correntes estéticas como o Surrealismo, escreveram sobre o tema. "Há pessoas que estão apaixonadas, porque leram em livros, quais são os sintomas de se estar apaixonado." 

"Numa livraria, como esta", continuou, apontando para as paredes forradas com estantes carregadas de volumes "há muitos livros de sintomas, escritos por Camões ou Keats!"

Na música, afirmou, isso nota-se mais. "Porque as pessoas sentem o que sentem pelo outro, através das letras das canções", afirmou, ressalvando que há pessoas que dizem que não têm necessidade desses 'suplementos' que se adquirem através da leitura."  

Amante confesso da sétima arte, entremeou a tertúlia com referências cinematográficas. Aliás, aproveitou o filme Magnólia, de Paul Thomas Anderson, onde - aproveitou para fazer um spoiler - acontece uma chuva de sapos, numa referência religiosa.

"Comentei com a pessoa com quem tinha ido ver o filme que era uma alusão bíblica. Ela não sabia do que eu estava a falar. Não faz sentido dizer que não se conhece a Bíblia ou o Corão, ou o Manifesto Comunista, porque se é ateu ou comunista. Não faz sentido ignorar estas referências culturais."

"Seria muito bizarro alguém dizer que não consegue ler Dante porque se é ateu, ou que não se lê García-Llorca porque se é heterossexual. Parece disparatado, mas são algumas das conversas que hoje se escutam", continuou. 

Voltando ao mundo do cinema, referiu que, muitas vezes é lamentável que "o belo" esteja ao serviço do poder e de causas menos nobres. Lançando mão a nomes de realizadores como Griffith, Eisenstein e Riefenstahl, afirmou que, embora retratem nos seus filmes apologias do nazismo, do Ku Kux Klan ou de uma visão comunista enviesada, ninguém, "no seu juízo, poderá dizer que não há arte e beleza no seu trabalho".

Porém, sublinhou, é preciso analisar estes temas à luz do contexto histórico. 

Perfil
Pedro Mexia nasceu em Lisboa, em 1972. Licenciou-se em Direito pela Universidade Católica. Escreveu crítica literária e crónicas para os jornais Diário de Notícias e Público, sendo actualmente colaborador do semanário Expresso. É um dos membros do Governo Sombra (TSF / SIC).

Foi subdirector e director interino da Cinemateca Portuguesa. Publicou seis livros de poesia, antologiados em Menos por Menos (2011), a que se seguiu Uma Vez Que Tudo se Perdeu (2015) e a selecção pessoal de Poemas Escolhidos (2018).

Editou os volumes de diários Fora do Mundo (2004), Prova de Vida (2007), Estado Civil (2009), Lei Seca (2014) e Malparado (2017), e as colectâneas de crónicas Primeira Pessoa (2006), Nada de Melancolia (2008), As Vidas dos Outros (2010), O Mundo dos Vivos (2012), Cinemateca (2013), Biblioteca (2015) e Lá Fora (2018, Grande Prémio de Crónica APE).

No Brasil, saíram Queria mais é que chovesse (crónicas, 2015) e Contratempo (poesia, 2016).

Organizou um volume de ensaios de Agustina Bessa-Luís, Contemplação Carinhosa da Angústia; a antologia Verbo: Deus como Interrogação na Poesia Portuguesa [com José Tolentino Mendonça]; O Homem Fatal, crónicas escolhidas de Nelson Rodrigues; e Nada Tem já Encanto, antologia poética de Rui Knopfli.

Traduziu Robert Bresson, Tom Stoppard, Hugo Williams e Martin Crimp. Coordena a coleção de poesia da Tinta-da-china. Em 2015 e 2016 integrou o júri do Prémio Camões.

 

 

EVENTOS