Sociedade

Ricardo Leão: médico, investigador e músico

21 jan 2016 00:00

Urologista de Alcobaça trabalha em vários hospitais de Toronto

ricardo-leao-medico-investigador-e-musico-2862
Jacinto Silva Duro

É médico e investigador. Portugal é o seu País, mas é no estrangeiro, neste momento em Toronto (Canadá), que desenvolve os seus conhecimentos.

Ricardo Leão tem 39 anos e é natural da Bemposta, freguesia da Maiorga, no concelho de Alcobaça. Durante alguns anos usou a bata branca e tocou saxofone em simultâneo, nomeadamente ao lado dos The Gift, participando em concertos.

Terminada a licenciatura em Medicina, pela Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra, em 2004, Ricardo Leão ingressou na especialidade de Urologia, terminando com uma média de 19 valores.

Durante a formação, o médico alcobacense trabalhou em diferentes hospitais nacionais e internacionais, possibilitando-lhe a aprendizagem com alguns dos melhores médicos do mundo. Foi no The Johns Hopkins Hospital, em Baltimore (EUA), que o médico “mudou a percepção” da sua carreira.

Não menos importante é a sua passagem pelo Klinikum Heilbronn, da University of Heidelberg (Alemanha), no qual realizou um estágio em cirurgia laparoscópica e robótica urológica. A passagem por estes hospitais aguçou ainda mais o gosto de Ricardo Leão pela investigação.

Actualmente está a realizar a tese de doutoramento em Urologia Oncológica, pela Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra. O seu trabalho visa o estudo de mecanismos de manutenção dos telómeros em cancros urológicos.

Face à sua dedicação, em 2014, abriu-se mais uma importante porta na vida deste médico. Entre centenas de candidatos internacionais, Ricardo Leão foi escolhido para um dos programas “mais reconhecidos e competitivos em Urologia”.

É o único português, até hoje, seleccionado para esta formação. Trata-se do Uro-oncology Fellowship, da Society of Urologic Oncology, da American Urological Association. Em Toronto, divide a actividade clínica entre diferentes hospitais, como o Mount Sinai Hospital, Princess Margaret Cancer Centre.

Leia mais na edição impressa ou torne-se assinante para aceder à versão digital integral deste artigo