Viver

Profissão: artista

14 nov 2019 11:19

O caminho para transformar a arte em modo de vida continua estreito e difícil. Quatro exemplos de sucesso, com origem no distrito de Leiria

profissao-artista
Ana Lázaro saiu da crise com um prémio nacional de literatura
Ricardo Graça

André Barros atende o telemóvel e explica que nos próximos dias anda pelos Estados Unidos, à espera da cerimónia dos Hollywood Music In Media Awards, que se realiza na próxima semana, em Los Angeles. O músico da Marinha Grande está nomeado em duas categorias: clássica contemporânea ou instrumental e composição original para anúncio publicitário. Viajou mais cedo, mas em trabalho: tem a agenda preenchida com reuniões, incluindo clientes já conhecidos e outros que espera conquistar. Além de o colocar num evento de passadeira vermelha em que também estão nomeados Thom Yorke, Pharrel Williams e Beyoncé, ou filmes e séries como Joker e Chernobyl, o tema Rising Melody, composto por André Barros para a campanha internacional da LG sobre o novo televisor Signature OLDE Rollable, é o contrato mais valioso que já assinou e o primeiro em que é pago com cinco dígitos. Para trás, há um longo caminho de promoção. Ou melhor, de autopromoção. Enviar emails, bater a todas as portas, nunca desistir. “É absolutamente decisivo”, reconhece. “Metade do meu dia são contactos, não tenho ninguém que os faça por mim”. Daí o voo antecipado para os Estados Unidos. “Vou não só porque estou nomeado mas porque já marquei uma série de reuniões com realizadores. Se não fizer este trabalho de campo e não estiver onde eles estão, tudo se torna mais difícil”.

André Barros / Foto de Ricardo Graça
André Barros a destacar-se na música para cinema e publicidade (Foto de Ricardo Graça)

Curiosamente, o percurso começa, há menos de 10 anos, quando André Barros decide trocar um escritório de advogados, depois de concluir a licenciatura em Direito, pelo curso de produção e criação musical na ETIC. Segue-se o estágio no estúdio dos Sigur Rós, na Islândia, o primeiro disco, Circustances, os primeiros concertos, os primeiros projectos na produtora do irmão, até que, em 2013, entra no universo da música para cinema, com a banda sonora original do documentário Wounds of Waziristan, realizado por Madiha Tahir. A estreia no grande ecrã, após “dezenas, se não centenas”, de tentativas. Valeu 1.000 dólares. Já o anúncio para a campanha da Volvo focada na Ocean Race, em que começa a nadar com os tubarões da publicidade, data de 2017.

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.

Já é assinante? Inicie aqui
SAIBA COMO