Login
Esqueci a password

Se esqueceu o seu Username ou a sua Password envie-nos o seu e-mail e receberá os seus dados de acesso por e-mail.

Se não sabe que endereço de e-mail utilizou no seu registo, por favor contacte os nossos serviços através do nosso e-mail assinantes@jornaldeleiria.pt.

Para procurar palavras exactas utilize aspas. Ex: "Castelo de Leiria" "Jornal de Leiria"
Área restrita

A secção que pretende aceder é restrita a assinantes do Jornal de Leiria. Para se tornar assinante vá à área Assinatura.

Se já for assinante da edição impressa, pode registar-se na edição online, sem custos adicionais.

Caso já tenha um registo, efectue login.

Porto de Mós perde quatro médicos

Sociedade

01 Dezembro 2016

Porto de Mós perde quatro médicos

Situação está a preocupar os autarcas do concelho.

Em menos de três meses, o concelho de Porto de Mós passou de uma “situação resolvida para uma de desmoronamento” ao nível de médicos. Essa terá sido a expressão utilizada pela directora do Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Pinhal Litoral numa reunião com o presidente da Câmara, para se referir à situação actual dos cuidados de saúde primários no concelho, que, nas últimas semanas, ficou sem quatro médicos.

A saída desses clínicos está a preocupar os autarcas das freguesias afectadas e o presidente do município, João Salgueiro, que já pediu a intervenção da directora do ACES e falou com o ministro da Saúde sobre o assunto.

“Esta é uma das questões mais pertinentes e urgentes a resolver no concelho”, afirmou o autarca durante a sessão da Assembleia Municipal, realizada na última sexta feira. Na ocasião, João Salgueiro explicou que dois médicos“rescindiram contrato e vão sair”, um está de baixa e a clínica de nacionalidade cubana, a quem a autarquia estava a pagar habitação, “não renovou contrato com o ACES”.

O presidente da Câmara revelou que lhe foi transmitida a informação de que está a decorrer um concurso nacional, que prevê a colocação de dois médicos em Porto de Mós. Segundo o autarca, o procedimento “estará terminado no final do ano” e “haverá pessoas interessadas em preencher o lugar”, ao contrário do que aconteceu no passado recente, em que houve vagas abertas que não foram preenchidas por falta de candidatos.

Leia mais na edição impressa ou torne-se assinante para aceder à versão digital integral deste artigo

Jornal de Leiria
RedacçãoJornal de Leiria redaccao@jornaldeleiria.pt






Os comentários são da exclusiva responsabilidade do utilizador