Viver

Nuno André Ferreira, fotógrafo: "Se não estivesse ligado ao fotojornalismo, não sei o que seria.”

5 fev 2016 00:00

O Teatro José Lúcio da Silva sem cadeiras e com uma banda da velha guarda tipo Megadeth seria uma boa

(Fotografia: Ricardo Graça)
Marina Mota
Marina Mota
Marina Mota
Megadeth
Megadeth
Megadeth
Suspeitos do costume
Suspeitos do costume
Suspeitos do costume

Se não estivesse ligado ao mundo da arte, o que seria?
É costume usar-se a expressão "a arte de bem fazer" e, por isso, considero que todas as profissões têm o seu lado artístico. Se não estivesse ligado ao mundo da fotografia/fotojornalismo sinceramente não sei o que seria. Horário das 9 às 18:30 horas é que não podia ser!

O projecto que mais gozo lhe deu fazer
Diria que ainda não está concluído. O mais importante, o mais valioso e o que mais gozo me irá dar, será sempre o meu projecto pessoal de vida. É nele que trabalho todos os dias. É um projecto continuo e não acaba… Os outros "projectos" alimentam este.

O espectáculo, concerto ou exposição que mais lhe ficou na memória
Com os meus 13 anos o meu primeiro grande concerto a 19/11/1993: Mão Morta com More República Masónica na Praia do Pedrógão, na discoteca Stressless.

O livro da sua vida
Um discurso sobre as Ciências, de Boaventura de Sousa Santos. Marcou-me não porque o tivesse adorado, mas porque o tentei ler várias vezes e não consegui.

Um filme inesquecível
Os Suspeitos do Costume, realizado por Bryan Singer.

Se tivesse de escolher uma banda sonora para si, qual seria?
Não sei ao certo, mas uma que me marcou muito foi a do filme Once Upon a Time in America, do compositor Ennio Morricone.

Um artista que gostava de ter visto no Teatro José Lúcio da Silva?
O Teatro José Lúcio da Silva sem cadeiras e com uma banda da velha guarda tipo Megadeth seria uma boa.

Uma viagem inevitável
Vietname. Visitar algumas das muitas ilhas, absorver a cultura e a natureza.

Um vício que não gostava de ter
Tabaco. Esse não me larga!

Um luxo
(Um veleiro na Marina de Vilamoura)… Poder viver do meu trabalho, que é o que sempre quis fazer, é um privilégio. E, isso sim, é um luxo

Uma personalidade que admira
Normalmente as personalidades são que pessoas que não conhecemos. Assim sendo, não os podemos admirar. Admiro a família e amigos que me rodeiam. Essas sim, são verdadeiras personalidades.

Uma actriz que gostava de levar a jantar
Difícil era arranjar alguma que comigo quisesse jantar. Talvez a Marina Mota. Pelo menos estaríamos de acordo no que beber para acompanhar o jantar.

Um restaurante da região
Em Viseu, O Martelo, em Silgueiros. Restaurante familiar e recatado onde se começa com um bom queijo e um excelente presunto. Vinho tinto de grande qualidade (Dão) para acompanha cabrito ou bacalhau na brasa. Encomendando também fazem uma Cabidela de Coelho espectacular.

Um prato de eleição
Poucos pratos "batem" uma boa Feijoada à Transmontana, um Cabritinho na Brasa com Batata Assada na Grelha ou mesmo uma Vitela à Dão Lafões. De qualquer forma não há nada melhor do que o verdadeiro Cozido à Portuguesa com morcela de arroz.

Um refúgio (na região)
Nos dias de hoje, qualquer sítio sem rede móvel pode ser considerado um bom refúgio. De qualquer modo, porque trabalho e vivo em Viseu, um bom refúgio é mesmo a minha região (Leiria).

Um sonho para Leiria
Que um dia me receba de braços abertos, porque eu vou voltar!

EVENTOS