Viver

Manifesto para uma Leiria mais criativa

2 nov 2018 00:00

Estado das artes | Leiria precisa de um programador que saiba fazer gestão cultural, de mecenas que apoiem os artistas e que provem que é possível ser-se um “gigante económico” e cultural, e de recuperar espaços para os abrir à criatividade.

Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Jacinto Silva Duro

Precisa ainda de dar melhor uso aos seus equipamentos culturais. Estas são algumas das conclusões retiradas do forum Vias Alternativas que pôs os artistas da região a falar entre si

Leiria necessita de um programador cultural, capaz de fazer uma gestão da programação, que não seja “avulso” e tenha uma orientação bem definida. Há espaços que poderiam ser usados pelos artistas e público, mas que estão degradados e encerrados e, outros há que não estão a cumprir o seu potencial.

Falta apoio de mecenas e os artistas têm até ideias para fazer mais, sem a ajuda das entidades que os deveriam auxiliar, embora todo o apoio seja bemvindo. Estas são apenas algumas das conclusões retiradas do Vias alternativas – Conversas sobre o estado das artes em Leiria, fórum que aconteceu em Leiria, no sábado, e que pretendia, não apenas, dar a conhecer quem, quantos e o que fazem os artistas e agentes culturais de Leiria, mas também colocá-los a conversar entre si.

“Sem conversar não nos conhecemos. Sem nos conhecermos não conversamos”, afirmam Andrzej Kowalski, docente do ensino superior e encenador, Gil Campos, professor, e Luís Mourão, dramaturgo e também professor, que desafiaram o JORNAL DE LEIRIA a integrar a organização deste evento, que teve a parceria da ESECS/IPLeiria.

Reunidos na Escola Superior de Educação e Ciências Sociais, em Leiria, e após a intervenção inicial do investigador, dramaturgo, encenador e docente universitário João Maria André que apresentou a comunicação Políticas Culturais Fora dos Grandes Centros Urbanos, os artistas desafiaram os representantes do CDS, PSD, PS, PCP e BE a expor a posição dos seus partidos sobre a temática.

De tarde, tiveram início as conversas entre os criativos. Mais de uma centena de artistas dividiram-se pelos grupos Letras, Imagem, Artes Plásticas, Artes Performativase Música, para debaterem o seu papel na sociedade e para sugerir medidas concretas que permitissem melhorar as suas condições de trabalho e o contacto com o público.

Boa parte das sugestões foram transversais a todos os participantes e, por isso, deixamos aqui um resumo com algumas dessas posições comuns, uma vez que a lista final de propostas é extensa, tendo a organização chamado a si a tarefa de a tornar pública, bem como enviá-la à Rede Cultura 2027, que está a organizar a candidatura de Leiria a Capital Europeia da Cultura, à Câmara de Leiria, à CIMRL, ao IPLeiria e aos partidos presentes no evento.

Um lobby para as letras, pôr o IPL a falar e impedir a tabula rasa
Os escritores e poetas avançaram com a proposta de criação de parcerias com os media, para dar espaço aos autores emergentes, e de organização de um evento literário, “cujo foco não se disperse e que possa primar pela especificidade e idiossincrasia leirienses”.

Os autores gostariam de promover encontros e colaboração com criativos de outras formas de manifestação artística, como o teatro ou a performance. Por fim, sugeriram criar um lobby para a divulgação dos autores de Leiria/ locais, através de acções dirigidas a meios de comunicação, críticos e a uma grande variedade de agentes literários.

Já os músicos sublinharam que, mesmo após todo o trabalho que têm feito para levar o nome de Leiria a Portugal e ao estrangeiro, continua a faltar o envolvimento da comunidade e o investimento que leve mais artistas a apostar na sua arte. “Apesar da grande quantidade de escolas que oferecem formação básica, há poucos jovens a irem a concertos”. Pediram mais transparência e que o Orçamento da Câmara reflicta os valores dedicados à cultura e a verba dedicada ao entretenimento. “Embora se possam cruzar, há que rotular mais assertivamente os artistas e as actividades.”

Por fim, ficaram combinadas reuniões regulares dos músicos e a SAMP prontificou-se para acolher, já no próximo mês, uma reunião com os artistas, para continuarem a falar e a criar soluções para problemas comuns.

O encontro aconteceu numa das escolas do Politécnico de Leiria e a instituição também foi alvo de alguns recados dos artistas das Artes Performativas. “É preciso acabar com o ‘divórcio’ e ausência de comunicação entre as escolas do Instituto Politécnico de Leiria.

“A ESECS, que forma professores, e a ESAD.CR, que forma artistas, não falam, nem se articulam. Nem a escola de Leiria conhece o trabalho feito pelos artistas em formação nas Caldas da Rainha, nem o trabalho criativo é incluído na formação de professores. Solicita-se à ESECS que tenha mais atenção, quando fizer a elaboração dos seus planos curriculares para a formação de professores, e à ESAD.CR que mostre o que estão a fazer os artistas que está a formar, estabelecendo uma rede que permita que o IPLeiria sirva como facilitador na ligação entre educação e cultura.”

Também se solicitou a quem está à frente da candidatura a Capital Europeia da Cultura que evite “fazer tabula rasa de tudo o que existe em Leiria, sacrificando o trabalho de décadas em nome da candidatura e de um caderno de encargos”, porque “a criação artística é um valor do território e não deve ser condicionada por esta candidatura”.

 

RESUMO DAS MEDIDAS PROPOSTAS
Contratação de um programador cultural, com formação específica. Há a necessidade de, numa cidade que tem já uma grande quantidade de produção cultural, haver uma gestão cultural e uma equipa a tempo inteiros;

- Mais e melhor divulgação dos eventos, criando um mecanismo que impeça a sobreposição constante de eventos. Foi referido que chegou a ser proposto à autarquia a aquisição de uma plataforma online para este fim, mas que não houve aceitação da ideia da parte da Câmara;

Mais apoio dos mecenas. A produção cultural valoriza o território e as empresas da região quando tentarem vender os seus produtos no estrangeiro. “Adopção” de um artista pelos mecenas;

Criação de uma rede para exposições e exibições de cinema dos criativos locais, criação de um auditório no novo pavilhão multiusos

- Recuperação e utilização de auditórios na cidade que se encontram encerrados. O auditório da delegação de Leiria do Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ) e o auditório da Caixa Agrícola, estão inactivos há vários anos e poderiam ser utilizados para divulgação do trabalho; 

- Mais conversas e encontros regulares de artistas. Os sectores da dança e a música prometeram reunir no próximo mês para continuar o trabalho iniciado no sábado; 

- Realização de residências artísticas, com convite a criativos locais e nacionais, da música às letras, do teatro à dança e artes plásticas, para trabalharem em Leiria e darem a conhecer o seu trabalho e arte;

- Criação de uma blackbox e de um laboratório de fotografia comunitário – a instalar no IPDJ ou no m|i|mo -, com capacidade de impressão. Criação de um espaço cultural comum, que possa ser usufruído por todos os criadores de todas as formas de manifestação artística e pelo público;

- Aquisição pública de uma colecção representativa da produção artística actual e sua exposição num local privilegiado e de fácil acesso;

- Reactivação do Conselho Municipal de Cultural. “Foi um órgão que tomou posse com pompa e circunstância, mas que não está activo e não funciona”;

- Criação de uma rede cultural que extrapole o âmbito territorial da cidade e agrupe organismos públicos e privados.


Manifesto dos artistas de Leiria pela cultura
“Tudo seria bem mais fácil se estivéssemos a falar de obras públicas. Hospitais, escolas,  

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.

Já é assinante? Inicie aqui
SAIBA COMO