Viver

Jogos digitais que fazem bem ao coração

26 jan 2020 12:00

Diversão | Todos os anos, dezenas de jogos digitais são criados pelos alunos do Politécnico de Leiria e publicados nas lojas de aplicações Android, iOS e Windows. Até há um que ensina as crianças que comer vegetais dá super-poderes. Já os experimentou?

jogos-digitais-que-fazem-bem-ao-coracao
Da esquerda para a direita, Tiago Silva, Luís Marques, André Nogueira e Gustavo Reis
Ricardo Graça
Jacinto Silva Duro

Lembra-se dos desenhos animados do Popeye, que tinha músculos de ferro, porque comia espinafres – naturalmente rico em ferro - e advogava uma vida saudável?

Hoje, as crianças partilham o tempo dedicado aos desenhos animados com o entretenimento digital jogado em tablets, telefones inteligentes e computadores, e parte da missão pedagógica do Popeye foi transferida para esses dispositivos.

Um dos jogos que preenche esse espaço chama-se Veggies4MyHeart e pode ser descarregado da Google Play.

Nasceu de um projecto conjunto entre a licenciatura em Jogos Digitais e Multimédia, da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Leiria (ESTG) e a Escola Superior de Saúde de Leiria (Esslei), instituições do Politécnico de Leiria.

A funcionar apenas no sistema operativo Android, resulta de uma candidatura da Esslei a um concurso da Fundação Portuguesa de Cardiologia. Além deste exemplo, todos os anos, os alunos desta licenciatura que teve início em 2014/2015, publicam dezenas de jogos nas lojas de aplicações Android e iOS ou na plataforma indie itch.io.

"A ideia do Veggies4MyHeart partiu da Esslei e era para um jogo destino a crianças, que ensinasse e as incitasse a consumir hortaliças. Cinco vegetais - cenoura, couve-roxa, alface, tomate e pepino - e que dão super-poderes, relacionados com os benefícios que eles promovem. Por exemplo, a cenoura dá boa visão, o tomate, que é bom para os músculos, dá velocidade e bons reflexos, o pepino hidrata...", explica o coordenador da licenciatura, Gustavo Reis.

Os responsáveis da Esslei acompanharam o esforço de desenvolvimento do jogo, aprovando e colaborando em cada uma das etapas.

Antes de ser lançado, foi testado em várias escolas com alunos do pré-escolar, havendo o cuidado de ter em atenção que crianças tão jovens ainda não sabem ler e, como tal, a actividade lúdica teria de ser de fácil apreensão, ao mesmo tempo que desperta interesse.

"Tivemos bastante sucesso com o jogo e, simultaneamente, o consumo de vegetais foi monitorizado e percebeu-se que o consumo de vegetais aumentou", sublinha o professor, também ele pai de duas filhas pequenas, uma de sete e outra de nove anos, com quem passa parte dos tempos livres a jogar… Keg Wars, ao lado.

Mais um exemplo saído das mentes dos alunos do Morro do Lena.

"É uma espécie de Jogo do Galo que alia características de Magic, The Gathering. Ou seja, cada peça do tabuleiro tem poderes especiais de ataque, de defesa... Está espectacular."

Muitas ideias loucas Ideias para novos jogos, explica o responsável, não faltam.

"Há muitas ideias loucas, porém, umas têm futuro, outras nem por isso. Felizmente, temos professores, como o Ricardo Flores e o Ivan Barroso, há bastantes anos na indústria de videojogos, que conseguem chamar os alunos à terra e explicar-lhes que nem tudo se pode implementar e programar."

Mesmo assim, a licenciatura em Jogos Digitais e Multimédia tem vencido vários prémios a nível europeu. Estiveram já três vezes consecutivas, na Suécia, a representar Portugal no Nordic Game Discovery Contest, pelo Melhor Jogo Europeu.

Desde 2018, a escola tem vencido a fase nacional da competição, estando já certa a participação em 2020.

Actualmente, frequentam a licenciatura cerca de 200 jovens de ambos os sexos.

"Há muitas raparigas", sublinha o coordenador, que explica que este curso não é exclusivo para programadores. Há quem prefira desenhar as personagens, modelá-las em 3D, ou trabalhar nas animações.

"Há pessoas de programação, de animação, de ilustração, de design, de arte e, por isso, as nossas cadeiras específicas são Matemática, Desenho ou Geometria Descritiva. Durante o curso, há muitas cadeiras de opção, para que cada um defina o seu próprio trajecto."

É um trabalho multidisciplinar de equipa, que coloca em destaque a vocação de cada um para as artes, mecânica de jogo ou programação.

Carros e coelhinhos fofinhos com metralhadoras

André, Luís, e Tiago são todos alunos do terceiro ano da licenciatura, com especialização em artes. Sentados no Game Lab 4, uma das salas onde os alunos desenvolvem jogos e projectos, passam os dias rodeados pelo imaginário dos jogos digitais.

Todos os dias passam pela grande porta vermelha do laboratório onde, em letras a tinta preta, está escrito Press Play.

As paredes do piso inferior do Edifício D, da ESTG, estão forradas com iconografia em duas dimensões dos primórdios das consolas de videojogos: Super Mários e Luigis, cogumelos ou King Koopas, entre outras personagens.

Era todos, juram, adolescentes "normais" e não ficavam fechados em casa a jogar em frente ao computador ou consola de jogos.

"É normal que, após entrarmos no curso, fiquemos saturados de jogos. Com tantos trabalhos, não temos tempo para eles. Agora, passamos a maior parte do tempo a criá-los", diz Tiago Silva, 20 anos, natural de Pombal.

Por estes dias, com a aproximação do segundo semestre do terceiro ano, os três começam a sentir a pressão de escolher entre fazer um estágio ou um mega-projecto.

No fim do primeiro ano de licenciatura, os estudantes devem elaborar um projecto; um jogo em 2D. No fim do segundo têm de fazer outro, desta vez, em 3D, e no final do terceiro ano ou fazem um mega-projecto ou um estágio num estúdio.

Além disso, os jogos têm de estar publicados na Google Play (Android), na Appstore (iOS) ou na plataforma itch.io.

"Quando chegam ao fim do curso, os alunos têm pelo menos três jogos publicados, têm currículo, experiência e portefólio", explica Gustavo Reis.

Para todos, à excepção de Luís Marques, 20 anos, natural de Beja, a opção pelo projecto parece ser a mais natural.

Há dias, um professor desafiou-o a considerar a opção do estágio num estúdio de jogos digitais.

"Interessa-me o que poderei aprender lá. Estou focado na área do 3D, embora, ao longo do curso, tenha aprendido a fazer muitas outras coisas, ao longo do curso", explica, adiantando que as ideias para jogos são muitas e que as costuma apontar para perceber se são exequíveis.

Na plataforma itch.io, conta já com quatro jogos, mas elege SOS Mission, um jogo de naves espaciais, como um dos seus favoritos.

Jogos gratuitos de alunos do Politécnico de Leiria
Veggies4MyHeart (Carlos Filipe, Marco Afonso, Vanda Freire, Tiago Duarte)
Keg War (Daniel Vicente, Fábio Pinto) 
Falling Asheep (Carlos Pedroso)
Pulcra Vermis (Vitaliy Davydovych)
Zorgapol (Hugo Silva, Bernardo Mónico e Wilson Santos)
Blodoffer (Bruna Gonçalves, Diogo Ferreira e Hugo Moreira)
Sphere-x (Ashley Prazeres, João Gomes e Ricardo Sousa)
Advanced Override (Alexandre Mendes, Gonçalo Morgado e Rui Ramos)
Fonte: Politécnico de Leiria

Tiago tem dois nessa plataforma indie e já participou em encontros Game Jam, onde os participantes são desafiados a criar um jogo, em 48 horas, a partir de um tema escolhido pela organização, e a apresentá-lo.

Os dois partilham a paternidade de Carcade Champions, um jogo de arcada, com carros, com vários mini-jogos, onde os jogadores têm vários carros à escolha e competem pelo maior número de pontos.

No caso de André Henriques Nogueira, 21 anos, natural de Leiria, foi o casamento "entre a arte e a multimédia" que o

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.

Já é assinante? Inicie aqui
SAIBA COMO