Desporto

“A intenção é subir ainda mais, mas teremos de ser cautelosos”

25 mar 2016 00:00

O padre António Pereira ficou satisfeito com o regresso do CD Fátima às competições nacionais. Foi bom, quer mais, mas alerta para a necessidade de haver uma alteração de mentalidades na cidade.

a-intencao-e-subir-ainda-mais-mas-teremos-de-ser-cautelosos-3494

Esta é a crónica de uma vitória anunciada. Faltam ainda quatro jornadas para terminar o campeonato da 1.ª Divisão da Associação de Futebol de Santarém, mas o Centro Desportivo de Fátima já festejou a conquista do título. 

Foi este domingo, na capital do distrito, depois do triunfo sobre o Empregados do Comércio (0-1). Está consumado o regresso às provas nacionais, apenas uma temporada depois de ter caído nas competições distritais.

Em ano de cinquentenário, as notícias não podiam ser melhores para o CD Fátima. Em 22 partidas para o campeonato, a equipa orientada por João Henriques venceu vinte, empatou dois e não perdeu uma única vez. Com cinco golos sofridos é, inclusivamente, a melhor defesa do País. 

A aposta feita pelo grupo de investidores saudita liderada por Abdulmouti Akaaki, que adquiriu 90% da SAD, acabou por dar frutos.

“O Fátima não arriscou nada. Era necessário construir uma equipa que evitasse quaisquer sobressaltos”, explicou o padre António Martins Pereira. 

Segundo o presidente do clube, havia “noção da superioridade”, até pelos “investimentos consideráveis que foram feitos” pelo parceiro saudita. O relacionamento do clube com a SAD é “excelente”. 

“Tem-nos ajudado a superar algumas situações difíceis. Saímos do abismo, mas ainda há muita coisa a fazer”. Temos compromissos onerosos que requerem muito trabalho”, enfatizou o líder histórico do emblema.

Em 2016/17, o Fátima vai, pois, jogar no Campeonato de Portugal, o terceiro escalão do futebol português. Os objectivos são ambiciosos, mas de pés assentes em terra. “A intenção é subir ainda mais, mas teremos de ser cautelosos”, sustenta António Martins Pereira. 

“Na próxima temporada queremos estabilizar nos competições nacionais para depois dar o salto”, explica.  

Leia mais na edição impressa ou torne-se assinante para aceder à versão digital integral deste artigo.

EVENTOS