Sociedade

Há 20 anos sem ver o Sol (Leiria) - Galeria

22 jun 2018 00:00

Este é um dos mais emblemáticos edifícios abandonados da cidade de Leiria.

Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça
Fotografia: Ricardo Graça

O Sol Leiria foi anunciado como um empreendimento que viria revolucionar o comércio em Leiria, mas fechou pouco tempo após abrir os primeiros espaços comerciais, há quase 20 anos.

Actualmente, das cerca de 160 lojas apenas quatro estão ocupadas.

Os outros proprietários encontram-se impedidos de aceder às suas lojas, mas têm de pagar IMI todos os anos, sem poderem, sequer, entrar no edifício.

O Sol Leiria não tem licença de utilização, explica fonte da empresa que administra o condomínio, referindo que se a sua obtenção teria sido relativamente fácil há cerca de 15 anos, porque, em falta, estaria pouco mais do que a criação de acessos para deficientes, agora exigiria a realização de “obras de vulto”.

EVENTOS