Viver

Folio 2018: começa hoje a grande festa do livro em Óbidos

27 set 2018 00:00

Dezenas de autores num programa de 11 dias com 200 actividades.

folio-2018-comeca-hoje-a-grande-festa-do-livro-em-obidos-9285

O programa oficial do Folio 2018 tem 60 páginas e várias pontes entre Portugal, Espanha, a África lusófona e a América Latina, com muito Brasil à mistura.

De outras coordenadas, os britânicos Cynan Jones e Alan Hollinghurst, a norte-americana Jami Attenberg e o também norte-americano Alex Soojung-Kim Pang são esperados com expectativa, num enredo cheio de tertúlias com escritores e lançamentos de novos livros.

Entre 27 de Setembro e 7 de Outubro, o festival literário internacional de Óbidos inclui cerca de 200 propostas, destacando-se, entre as caminhadas literárias, o mercado literário e a feira do livro raro e antigo, a homenagem a Germano de Almeida, Prémio Camões 2018, numa conversa com o autor conduzida por José Luiz Tavares e Filinto Elísio.

A quarta edição do Folio agarra o tema Ócio, Negócio, a Invenção do Futuro, e decorre durante 11 dias em 28 livrarias, galerias, museus, igrejas e hotéis, entre outros espaços.

Do Brasil chegam António Torres, Tiago Ferro, Gustavo Pacheco, Gregorio Duvivier, Eliane Robert Moraes, que vai reflectir com Pedro Mexia sobre os mestres da literatura pornográfica, Marcelo Moutinho e o actor António Fagundes; de Angola, Ondjaki à conversa com Pepetela; e há ainda Cláudia Piñeiro (Argentina), Carlos Franz (Chile), Karla Suárez (Cuba), José Manuel Fajardo (Espanha, num diálogo com Richard Zimler) e os portugueses José Riço Direitinho, Matilde Campilho, Alice Vieira, Francisco José Viegas, Ana Cristina Leonardo, José Gardeazabal (pseudónimo de José Tavares) e Dulce Maria Cardoso, entre muitos outros nomes.

Gonçalo M. Tavares dirige um curso de escrita e Ricardo Araújo Pereira lança um novo livro: Estar Vivo Aleija.

A inauguração do Folio 2018 é hoje, quinta-feira, pelas 16 horas. E logo no primeiro dia há duas homenagens a figuras maiores da literatura e do pensamento em português: a primeira, para assinalar os 20 anos da atribuição do Prémio Nobel a José Saramago, junta a presidente da Fundação José Saramago, Pilar del Río, com a escritora Anabela Mota Ribeiro, num diálogo em que os protagonistas são três novos livros, de e sobre Saramago, a publicar neste Outono; a segunda, é uma homenagem a Eduardo Lourenço, seguida de exibição do documentário Labirinto da Saudade, com a presença do realizador Miguel Gonçalves Mendes.

Até 7 de Outubro, o debate de ideias, a literatura e o pensamento crítico estão no centro do festival, que quer aproximar autores e leitores, com temas como o contraste entre o paraíso visitado e o paraíso vivido, a sede de infinito ou o orgulho e o preconceito no feminino.

Mas também há concertos, com Ricardo Ribeiro, Fábia Rebordão, Mafalda Veiga, JP Simões + Kimi Djabaté, Samuel Úria e Mundo Cão, cinema, teatro, recitais de poesia, ilustração, leituras encenadas, narração de histórias, contos de bar em bar, cursos, colóquios, seminários, palestras, oficinas e conferências.

Na lista de exposições permanentes, uma dezena, sobressaem Retratos de Escritores e Hilda Fist, dos fotógrafos Alfredo Cunha e Fernando Lemos, respectivamente, ou Moléstias, Embustes e Pontinhos Amantes, pelo ilustrador Nuno Saraiva.

Este ano, as novidades da colecção de abordagens do Folio são os momentos Folio Boémia, Folio e outros Festivais e Folio + Activo.

EVENTOS