Login
Esqueci a password

Se esqueceu o seu Username ou a sua Password envie-nos o seu e-mail e receberá os seus dados de acesso por e-mail.

Se não sabe que endereço de e-mail utilizou no seu registo, por favor contacte os nossos serviços através do nosso e-mail assinantes@jornaldeleiria.pt.

Para procurar palavras exactas utilize aspas. Ex: "Castelo de Leiria" "Jornal de Leiria"
Área restrita

A secção que pretende aceder é restrita a assinantes do Jornal de Leiria. Para se tornar assinante vá à área Assinatura.

Se já for assinante da edição impressa, pode registar-se na edição online, sem custos adicionais.

Caso já tenha um registo, efectue login.

Fogo previne fogo no Parque Natural
Foto: Ricardo Graça

Sociedade

17 Março 2017

Fogo previne fogo no Parque Natural

Incêndios controlados em Porto de Mós usados para criar faixas de contenção.

Sexta-feira, 10 de Março. Pelas 14:30 horas, ultimam-se os preparativos para mais uma acção de fogo controlado no Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros (PNSAC). Desta vez, em pleno Planalto da Mendiga, no concelho de Porto de Mós, onde, há cerca de dois meses, tinha sido desenvolvida uma intervenção semelhante.

O objectivo é reduzir o risco de incêndio no Verão com recurso a chamas controladas durante o Inverno. Como? Já lá iremos.

Com a viatura e os homens dos bombeiros de Porto de Mós estrategicamente colocados, Nuno Silva Marques, técnico do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF), faz uma última monitorização, analisando o nível de humidade e a velocidade e orientação do vento. Já antes, havia sido decidido reduzir a faixa a intervir.

Com o calor que se faz sentir naquela tarde, “é melhor não correr riscos”, explica Maria de Jesus Fernandes, directora do Departamento de Conservação da Natureza e Florestas de Lisboa e Vale do Tejo no qual está integrado o PNSAC. Quando tudo está a postos, dá-se a ordem para atear as chamas.

Em menos de dois minutos, o incêndio ganha força. Um pequeno foco haveria mesmo de passar para o outro lado da estrada, mas foi prontamente debelado. Cerca de 15 minutos depois, estavam consumidos perto de 3.200 metros quadrados de mato, dando-se por concluída mais uma acção de fogo controlado naquela área protegida, onde, há mais de 20 anos, é utilizada esta estratégia de gestão florestal.

Leia mais na edição impressa ou torne-se assinante para aceder à versão digital integral deste artigo.

Maria Anabela Silva
Redacção Maria Anabela Silva anabela.silva@jornaldeleiria.pt






Os comentários são da exclusiva responsabilidade do utilizador