Desporto

Ferro, suor e tupperwares de pescada

29 ago 2018 00:00

Estes homens e mulheres são exemplos de determinação. Passam longas horas no ginásio e controlam absolutamente tudo o que comem em nome do corpo perfeito

ferro-suor-e-tupperwares-de-pescada-9164
Daniela Franco Sousa

É quase improvável cruzar-se com ele na rua e não reparar no volume dos seus braços. Mas o que o muitos não saberão é que, maior do que os seus músculos é o tamanho da sua determinação. Pedro Jesus, programador de moldes natural da Marinha Grande, tem 37 anos e compete há quatro em provas de culturismo. Pesa actualmente 93 quilos, sensivelmente mais 30 do que quando começou a frequentar ginásios.

Pedro sempre foi magrinho e admite que essa condição física era motivo para uma baixa auto-estima. Há nove anos, quando uma lesão o impediu de jogar futebol, Pedro foi aconselhado a frequentar ginásio, para ultrapassar o problema que tinha na perna. E foi nessa altura que, ao ver os resultados dos treinos reflectidos no espelho, Pedro se apaixonou pelo culto da sua imagem. E mais ainda quando, há cerca de quatro anos, juntou aos treinos um plano de dieta alimentar. Os resultados melhoraram substancialmente e Pedro Jesus tornou- se atleta de competição, na categoria de culturismo clássico.

E o que quer isso dizer afinal? O objectivo do culturismo é melhorar a estética do corpo, através da utilização de pesos, de halteres e de máquinas. Ou seja, o essencial é trabalhar o corpo, dando-lhe formas e proporções harmoniosas. Parece simples, mas não é, explica Pedro Jesus. Isto porque nem só o treino é exigente. Também a dieta alimentar, que exponencia os resultados, é muitíssimo rigorosa.

“Vivo de dieta 24 horas por dia, sete dias por semana”, conta o atleta. Pedro pesa absolutamente todos os alimentos que ingere, zelando para que as quantidades sejam adequadas às suas características e objectivos pessoais.

Trata-se de uma dieta baseada em proteína, hidratos de carbono egorduras saudáveis. Isso exclui doces e bebidas alcoólicas. O atleta tem apenas uma refeição livre por semana, que usa habitualmente para matar saudades de sushi ou de hambúrguer. Mas são as semanas que antecedem as competições que exigem mais destes atletas. “Durante essas duas semanas só como proteínas, verdura e alguma gordura.

Significa que num dia faço três refeições de pescada, duas refeições de frango e duas refeições de ovos”, relata Pedro. E tão importante como o treino, intenso e regular, são os períodos obrigatórios de repouso.

Todos estes constrangimentos limitam bastante a vida social dos atletas, salienta Pedro, que muito recentemente foi a um aniversário, mas teve de levar os seus próprios tupperwares. Treinar as poses com as quais se deve apresentar em palco, nas provas, é outro grande desafio. Mas tudo se consegue quando se gosta realmente deste estilo de vida. E Pedro confessa que se vê a praticar culturismo até aos 60 ou 70 anos.

É por considerar que o culturismo é uma modalidade exigente, e que não é praticável por qualquer pessoa que não tenha motivação e grande espírito de sacrifício, que Pedro lamenta as observações frequentes, de quem está de fora, e que reduzem o culturismo à utilização de drogas. Pedro Jesus reconhece que efectivamente existe consumo de esteróides, mas não deixa de observar que a utilização de suplementos e de drogas são também prática corrente noutras modalidades, e que estas, apesar disso, não têm de conviver com o estigma sentido entre os praticantes de culturismo.

Outra questão que o faz insurgir são as campanhas de sensibilização contra a obesidade. Muito se fala de alimentação saudável, mas fica mais barato comprar um pacote de batatas fritas do que um molho de brócolos, compara o atleta.

O gordinho tornou-se campeão

Tal como Pedro Jesus, também Sérgio Rodrigues, de 29 anos, encontrou no exercício uma arma contra a baixa auto-estima. Era gordinho quando era mais novo. E foi quando se tornou militar que começou a gostar das transformações que o exercício lhe ia trazendo ao corpo. Desde então, nunca mais parou de trabalhar a imagem.

Treina regularmente desde 2009, mas foi desde 2013, à medida que adicionou dieta, suplementos alimentares e descanso, na dose certa, que Sérgio notou maiores mudanças. E quase toda a vida de Sérgio Rodrigues, de Penacova, gira agora em torno do culturismo.Até a própria namorada, Filipa Bregieiro, do Louriçal, é praticante da modalidade, salienta o atleta.

Desde a primeira competição em que participou, o culturista já fez cerca de 20 provas nacionais e internacionais. E nos concursos nacionais chegou sempre aos pódios. Na categoria de muscular physique, por exemplo, foi campeão nacional no Troféu Rui Ferreira, em Setembro, e foi ainda vice-campeão no Troféu Carlos Rebolo, que se realizou em Novemb

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.