Login
Esqueci a password

Se esqueceu o seu Username ou a sua Password envie-nos o seu e-mail e receberá os seus dados de acesso por e-mail.

Se não sabe que endereço de e-mail utilizou no seu registo, por favor contacte os nossos serviços através do nosso e-mail assinantes@jornaldeleiria.pt.

Para procurar palavras exactas utilize aspas. Ex: "Castelo de Leiria" "Jornal de Leiria"
Área restrita

A secção que pretende aceder é restrita a assinantes do Jornal de Leiria. Para se tornar assinante vá à área Assinatura.

Se já for assinante da edição impressa, pode registar-se na edição online, sem custos adicionais.

Caso já tenha um registo, efectue login.

Exportações de Leiria cresceram 92% numa década

Economia

14 Julho 2017

Exportações de Leiria cresceram 92% numa década

A grande parte das empresas exporta bens apenas para um país, mas são as poucas que diversificam que são responsáveis pela maior parte das exportações.

A maioria das empresas portuguesas exporta apenas para um mercado, mas são as empresas com 20 ou mais mercados de exportação que são responsáveis pela maior parte das vendas ao exterior. A conclusão faz parte do último estudo do Instituto Nacional de Estatística (INE), relativo grau de exposição das empresas aos mercados internacionais, e é reveladora da importânciada diversificação dos destinos de exportação para o sucesso das empresas além-fronteiras.

O estudo, datado de Outubro de 2016, revela que a maior parte das empresas portuguesas (69,7%) exportam apenas para um país, cabendo a estas empresas apenas 7,3% do valor
total exportado. Por outro lado, as empresas com maior diversificação de mercados (com 20 ou mais países parceiros) – que correspondiam a apenas 1,7% das empresas exportadoras – são responsáveis pela maior parte do valor exportado (43,8%).

Os números apurados são de 2015 e indiciam uma redução da dependência das empresas exportadoras de bens face a apenas um mercado, comparativamente a 2010.

Segundo o INE, «esta evolução poderá traduzir uma maior aposta por parte das empresas na diversificação de mercados, em resposta à crise global do comércio internacional verificada em 2009 e a crises específicas em alguns mercados relevantes, como foi o caso de Angola».

Efectivamente, o peso das empresas que exportaram exclusivamente para um mercado diminuiu, tanto em número de empresas, como em valor exportado (-2,7 p.p. e -1,4 p.p. em 2015 face a 2010, respectivamente), assim como o peso das empresas que registaram pelo menos 50% das suas exportações para apenas um mercado (-0,6 p.p. em número e -4,2 p.p. em valor).

Leia mais na edição impressa ou torne-se assinante para aceder à versão digital integral deste artigo.

Célia Marques
Colaboradores Permanentes Célia Marques






Os comentários são da exclusiva responsabilidade do utilizador