Login
Esqueci a password

Se esqueceu o seu Username ou a sua Password envie-nos o seu e-mail e receberá os seus dados de acesso por e-mail.

Se não sabe que endereço de e-mail utilizou no seu registo, por favor contacte os nossos serviços através do nosso e-mail assinantes@jornaldeleiria.pt.

Para procurar palavras exactas utilize aspas. Ex: "Castelo de Leiria" "Jornal de Leiria"
Área restrita

A secção que pretende aceder é restrita a assinantes do Jornal de Leiria. Para se tornar assinante vá à área Assinatura.

Se já for assinante da edição impressa, pode registar-se na edição online, sem custos adicionais.

Caso já tenha um registo, efectue login.

Engenheira civil conduz projectos comunitários em Benguela
Foto: DR

Sociedade

14 Maio 2017

Engenheira civil conduz projectos comunitários em Benguela

Sílvia Santos trocou secção de Trânsito da Câmara de Pombal pelo voluntariado em Angola.

Há oito meses, Sílvia Santos deixou as funções que desempenhava na Secção de Mobilidade e Trânsito da Câmara de Pombal para assumir a condução de dois projectos na missão de Benguela (Angola) da Organização Não Governamental (ONG) Leigos para o Desenvolvimento. A seu cargo, a engenheira civil tem a coordenação do Grupo Comunitário da Graça e do Projecto de Saúde Comunitária.

Sílvia Santos, de 30 anos, explica que a decisão de abraçar este desafio surgiu como consequência de uma ideia que, “já há alguns anos”, a acompanhava de “dar um pouco mais” de si numa missão de voluntariado. “Ter a oportunidade de ser agente de mudança neste contexto, onde as oportunidades são escassas e as dificuldades são muitas, foi algo que sempre fez muito sentido para mim.”

A jovem admite ainda que a sua ligação ao movimento escutismo – pertence ao Agrupamento de Escuteiros 1363 de Chão de Couce, Ansião – também teve “um papel muito importante” na decisão de partir, “levando mais longe a máxima de estar 'Sempre alerta para servir'”.

Na missão de Benguela dos Leigos para o Desenvolvimento, Sílvia Santos coordena e dinamiza o Grupo Comunitário do Bairro da Graça, que actua na área da saúde comunitária e do saneamento básico e que é composto por cerca de 40 entidades (instituições de ensino, de saúde, administrativas e de segurança, associações e grupos locais).

“Estas entidades reúnem de três em três semanas para identificarem, partilharem e debaterem os problemas existentes no bairro e com os quais se deparam, bem como tentar unir esforços e criar meios e actividades que possam ajudar a colmatar esses mesmos problemas”, conta a jovem, frisando que a dinâmica do Grupo Comunitário permite “um trabalho em conjunto, e “dar voz e peso à população do bairro perante as entidades administrativas”.

Trabalho “desafiante” e “muito gratificante”

Sílvia Santos nota que, a par do trabalho de concertação entre as várias entidades, e no âmbito dos subgrupos da saúde comunitária e do saneamento básico, são promovidas acções de sensibilização nas escolas, igrejas e praças do bairro sobre temas como a gravidez precoce, doenças sexualmente transmissíveis, tratamento de resíduos sólidos e prevenção de algumas doenças associadas.

Leia mais na edição impressa ou torne-se assinante para aceder à versão digital integral deste artigo.

Jornal de Leiria
RedacçãoJornal de Leiria redaccao@jornaldeleiria.pt






Os comentários são da exclusiva responsabilidade do utilizador