Viver

Encontro de teatro em Pombal até domingo

12 jan 2018 00:00

Em cena | Já viu um espectáculo de stand down? É como stand up… mas ao contrário. E a ilha da Madeira? Já lhe fizeram uma visita guiada, sem sair da sua cadeira?

Jacinto Silva Duro

Como está o seu conhecimento das “armas e barões assinalado que da Oriental praia lusitana” deram mundos ao mundo?

O Encontro de Teatro de Pombal começa hoje, dia dia 12, e decorre até 14, domingo, sob a batuta do Teatro Amador de Pombal (TAP), entidade que organiza o evento.

Este ano, a cidade do Marquês recebe Ángel Fragua e a sua peça Stand Down e o Teatro Experimental da Camacha, que chega da Madeira, com a produção Era a Ilha. O encerramento caberá ao TAP, com o seu texto original Lusíadas?.

O director do TAP, Humberto Pinto, sublinha que não se trata de um intercâmbio entre grupos de artes cénicas. É, afirma, algo mais profundo e enriquecedor. "É um exercício de partilha com os outros grupos que vamos conhecendo, quando partilhamos palcos e espectáculos, e com cujo trabalho nos identificamos. É uma aposta na qualidade", diz.

O cenário montado é de uma verdadeira residência artística e, nesta quinta edição do evento, os grupos presentes até são amadores, mas, em anos anteriores, o Teatro-cine de Pombal tem acolhido companhias profissionais, no seu palco.

Embora o TAP não faça uma ligação directa, estas sessões funcionam como se fossem uma “volta de aquecimento” para o Festival de Teatro de Pombal que acontece em Março, com o objectivo de afinar alguns processos e colocar a equipa em diálogo.

Se stand up é humor, o que será stand down?
Para dia 12, estava marcada a presença do Ajidanha, teatro de Idanha-a-Nova com quem o TAP tem concretizado vários projectos em conjunto, contudo, a companhia de teatro que tem embarcado em projectos conjuntos com o TAP viu-se forçada a cancelar a presença e já não irá apresentar um peça criada a partir do Diário de Anne Frank.

O lugar vago foi ocupado por Ángel Fragua, um dos actores da Peripécia Teatro. Riso, vida, vinho, portunhol, encontros, amigos, tortilla, amor, morte, palhaço e poesia são algumas das ideias subjacentes ao espectáculo de Stand down, que o espanhol apresentará em Pombal, na sexta-feira, pelas 21:30 horas.

Em palco, Ángel Fragua falará das memórias de um homem, as reais e as outras, as lembranças de infância com os olhos de agora e os primeiros silêncios. “Para o resto da semana inventei um palhaço. Levava um nariz, um penico na cabeça, umas jardineiras e uma mala onde guardava uns cartazes, pensamentos como os das bandas desenhadas que diziam: estou sozinho, estou perdido, sim, não, não sei...”, refere o actor acerca de Stand down.

Partindo de dois contos de Félix Albo, Secretos de Familia e Un Roble en un Cementerio, Ángel ensina-nos por que razão morrer de amor pode ser só o início de uma história. O actor apresenta-se a solo, sem grandes recursos cénicos, num espectáculo onde a palavra assume importância, e onde as experiências pessoais se cruzam com as de outrem, que não está em palco.

Visita à ilha da Madeira, sem sair de Pombal
Já o Teatro Experimental da Camacha (TEC) apresenta-se em Pombal após o TAP ter ido à Madeira, onde presenciou o trabalho do grupo.

A peça que será apresentada no Teatro-cine, chama-se Era a Ilha e é uma verdadeira visita à "pérola do Atlântico", sem sair de Portugal continental.

"O texto tem muitas palavras em 'madeirense', mas o público não tem com que se preocupar, pois o grupo distribui um pequeno glossário, no início de cada espectáculo, para ajudar à tradução", refere o responsável pelo colectivo anfitrião.

Vinho da Madeira, bolo do caco, bailinho da Madeira e uma miríade de outras tradições e curiosidades fazem parte deste espectáculo com sotaque... madeirense, é claro.

E ainda traz um bónus a quem for ao teatro, no primeiro dia do evento, no final, a companhia tem por hábito partilhar bolo de mel e vinho da Madeira com os espectadores e assim, além do alimento para a mente, também o corpo ficará saciado, com esta ceia tradicional.

"Quem sabe, pode ser que também tragam poncha", brinca Humberto Pinto. O TEC apresenta-se com encenação de Zé Ferreira e interpretações de Paulo Renato, Filipa Mota, Natércia Teixeira e Carina Teixeira. Para ver e saborear no dia 13, à partir das 21:30 horas.

Lusíadas? uma epopeia nada épica
Por fim, o TAP, encerra o Encontro de Teatro, no dia 14, às 17 horas, com a sua peça original Lusíadas?, um espectáculo sobre Portugal e a portugalidade, a partir de um texto "vagamente, muito vagamente" influenciado pel’Os Lusíadas, de Camões.

O texto destina-se a crianças e adultos e traça um retrato da história do nosso País, com muitas interrogações sobre os grandes episódios da história das gentes lusas e humor à mistura.

"Brincamos com Os Lusíadas. Contamos pequenos episódios de todos os Cantos, entre os mais marcantes e conhecidos dessa obra, de uma forma divertida." Dois narradores, que  

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.

Já é assinante? Inicie aqui
SAIBA COMO