Opinião

E vamos deixar morrer a verdade dentro de nós?

16 mar 2017 00:00

Procuramos a explicação das coisas onde é fácil encontrar respostas.

e-vamos-deixar-morrer-a-verdade-dentro-de-nos-6098
Jacinto Silva Duro

O meu, de há muito, generoso e incondicional amigo, Joaquim Paulo Conceição, publicou numa rede social, fazendo fé da transcrição citada por este mesmo jornal, um comentário a propósito de se ter visto pessoalmente envolvido num mediático caso que está ao cuidado da Justiça.

Dizia o Joaquim Paulo: “Neste espetáculo mentiroso montado nem é tanto a mentira que choca, mas o espetáculo que se monta para promover uma mentira conveniente. As mentiras desmentem-se e esta injustiça será rapidamente corrigida. Quando acontecer, o espetáculo montado será convenientemente anulado e a reposição da verdade não será nunca tão projetada quanto a mentira”. 

Naturalmente que não me cabe a pretensão de ajuizar o que a outros, com mais tempo, saber e competência, cumpre esclarecer pela reposição da verdade. Tão-somente me incomoda e indigna o modo como o direito à informação, amiúde, se transfigura numa exposição gratuita de factos e circunstâncias que trazem um ruído ensurdecedor impeditivo duma análise serena do que verdadeiramente está em causa.

Procuramos a explicação das coisas onde é fácil encontrar respostas. Procuramos a moeda que perdemos onde há luz e não onde ela caiu. Sempre assim foi na ciência, no conhecimento, na cultura.

A história encarrega-se de nos demonstrar que os contributos para a evolução do saber sobre as coisas foi sempre obra dos que se aventuraram a procurar nos territórios mentais que outros evitaram.

Leia mais na edição impressa ou torne-se assinante para aceder à versão digital integral deste artigo.