Sociedade

Carla Santos à procura de respostas para a Esclerose Lateral Amiotrófica

21 mai 2019 00:00

Investigadora de Leiria desenvolve projecto em Oxford sobre doença rara

carla-santos-a-procura-de-respostas-para-a-esclerose-lateral-amiotrofica-10299
Maria Anabela Silva

Melhorar a compreensão dos processos que causam a Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA), uma doença rara e, na maioria dos casos, fatal, é um dos principais objectivos da investigação que Carla Santos, natural de Cortes, Leiria, está a desenvolver no Departamento de Farmacologia da Universidade de Oxford, no Reino Unido, no âmbito do seu doutoramento.

Formada em Bioquímica pela Universidade de Coimbra, a jovem, de 29 anos, abraçou o projecto há cerca de três anos. “Estou a estudar disfunções no sistema de reciclagem das células na ELA, que é uma doença que afecta as células do cérebro e da coluna vertebral que dizem aos músculos o que fazer, causando a paralisação progressiva dos músculos”, explica a investigadora, frisando que a ELA “pode afectar a forma como as pessoas andam, falam, comem e bebem, como respiram e até como pensam e se comportam”. Na maioria dos casos, “é uma doença letal para a qual infelizmente ainda não existe cura”.

No laboratório no qual Carla Santos está integrada, grande parte dos investidores estuda doenças lisossomais de sobrecarga (DLS), que constituem um grupo de patologias hereditárias, caracterizadas pela “acumulação de detritos nas células, que não se conseguem degradar ou reciclar”.

[p
Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.