Viver

Autores de Leiria juntam-se a Rui Zink, Maria Teresa Horta e Afonso Cruz nos Mapas do Confinamento

19 abr 2021 18:25

Colaborações de vários países para uma cartografia do confinamento através da cultura e da arte

autores-de-leiria-juntam-se-a-rui-zink-maria-teresa-horta-e-afonso-cruz-nos-mapas-do-confinamento
Imagem da autoria de Frankie Boy, da série The Quarantine
Frankie Boy

A cartografia do confinamento através da cultura e da arte, na iniciativa Mapas do Confinamento, que reúne criadores radicados em vários países.

Dois objectivos: por um lado, desenhar, em conjunto, os mapas do confinamento “que cada um experienciou, tanto física como emocionalmente”, por outro, acrescenta a organização, elaborar um manifesto “de revolta contra as políticas desastrosas de (des)apoio à cultura”.

O projecto reúne cerca de 130 autores, tradutores, editores, fotógrafos, ilustradores, artistas visuais, artistas e performers, entre eles, Afonso Cruz, Maria Teresa Horta, Rui Zink, Richard Zimler e Ondjaki.

Participam, também, sete nomes de Leiria: José Luís Jorge, Carla de Sousa, Frankie Boy e Sílvia Bernardino na fotografia, Ana Moderno e Paulo Kellerman na literatura e Maraia na ilustração.

Fotografia de Carla de Sousa

Nesta colaboração, Paulo Kellerman reflecte, por exemplo, sobre a liberdade, com base numa imagem de Teresa dos Santos: “A verdadeira liberdade apenas existe na mente de cada pessoa? Será uma ideia, um conceito, uma abstracção? E para que serve a liberdade conceptual na mente, se depois não se consegue materializar? O que acontece quando as liberdades de mente e corpo não estão em sintonia? Para onde nos empurraria a nossa liberdade, se nos deixássemos conduzir por ela? Para onde nos levaria? Como se dá corpo à liberdade? E se a liberdade é a única companhia que temos?”

As contribuições chegam de Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé, Timor Leste e das diásporas de expressão portuguesa em França, Bélgica, Países Baixos, Reino Unido e Suíça.

Fotografia de José Luís Jorge, do portefólio Fátima Despida

O colectivo quer afirmar a ideia de que “os livros, o teatro, os museus… deveriam ser considerados bens de primeira necessidade” e considera que “os profissionais da cultura encontram-se abandonados e entregues à sua sorte”, daí que a união “numa empreitada comum poderá tornar-se também um acto de resistência”.

Traduzidos para francês e inglês, os Mapas do Confinamento contam com apoio da Fundação Calouste Gulbenkian e da Biblioteca da Fundação Calouste Gulbenkian em Paris para a realização de mesas redondas como os autores do projecto, que serão transmitidas nas redes sociais, numa primeira fase, até Julho de 2021.

Assine Já Login

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?
Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.