Sociedade

Ana Lázaro, actriz e escritora: "colocar-nos na posição do outro é tão importante quanto a Matemática"

2 mai 2019 00:00

Natural de Leiria, a dramaturga afirma que os jovens são muito mais atentos do que se acredita, fala de afectos e da necessidade de colocar a cultura no centro das sociedades

Jacinto Silva Duro

Nos textos que escreve para a infância, tem a preocupação de abordar temas que são igualmente para os adultos. São assuntos que também lhe sobressaltam o coração?
Não penso "há que abordar este tema e vou partir para ele". Na verdade, não penso muito que estou a dirigir-me a crianças. No espectáculo Catamarã, que escrevi agora, não avaliei a linguagem que estava a usar, nem simplifiquei o tema.
este caso, é a história de dois miúdos que se encontram num pátio e um deles fazia 12 anos, mas estava chateado com as palavras, tendo decidido que nunca mais as iria usar. Com o evoluir da história, começa-se a perceber que vive sozinho com a mãe, que o pai saiu de casa e que tenta quantificar tudo com números.Tenta perceber como se mede a distância entre pessoas. Não entende por que razão, da casa à escola, demora 15 minutos, mas até casa do pai, que são apenas mais cinco minutos, ele nunca vai. Posso discutir temas complexos, de forma complexa com os miúdos - ou até de forma mais complexa do que com os adultos. O Gianni Rodari, autor da Gramática da Fantasia- que aconselho a todos os professores - explica como as palavras podem ter impacto nas crianças e como elas são ricas na forma como pensam acerca da vida e das palavras. Quando escrevo para crianças, não minimizo os danos. Pelo contrário.

Por que decidiu abordar a infância no seu trabalho?
Formei-me como actriz, trabalhei em musicais, televisão e peças para crianças, porque era onde havia trabalho... No pico da última crise, percebi que tinha de investir e criar o meu próprio trabalho, pois não podia ficar à espera que aparecesse trabalho.Havia concursos de literatura na área da infância e acabei por escrever contos e espectáculos para essa faixa etária, enquanto, paralelamente, escrevia para adultos. Os mais fáceis de publicar foram aqueles que eram para os mais novos e isso aproximou-me muito deles.Os serviços educativos fazem coisas espectaculares no âmbito do teatro... Preocupam-se mesmo em conceber projectos de raiz, em financiá-los ou co-produzir algo que traga uma linguagem nova. Aproveitei, por isso, para criar projectos infantojuvenis.Também estou a trabalhar com adolescentes, na Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, num projecto que iniciei há dois anos, com todos os utentes da instituição, cerca de 200 pessoas, desde miúdos de centros de acolhimento, infantários, centros de dia... juntei crianças, seniores e gente de todas as faixas etárias e o meu trabalho é escrever e encenar com eles e com a minha equipa. Em termos de expressão dramática, os jovens e adolescentes são a faixa etária com a qual mais gosto de trabalhar. Há ali um potencial bruto, que já tem maturidade para uma série de coisas, mas que ainda não estão focados na sua vida profissional. Tive acesso a grupos que estão mais à margem, nos bairros difíceis de Lisboa, e trabalho nas dinâmicas e na encenação, com os esses adolescentes.

Diz-se que, hoje, os jovens não se interessam por nada.
Não noto isso. Caímos muito na tentação de sermos os “Velhos do Restelo”. Há dias falava com uma amiga sobre o Facebook e o Instagram, as redes sociais e o abismo que isso nos causa, porque há ali fenómenos assustadores. Se for preciso, as pessoas estão todas sentadas à volta da mesma mesa a falar por telemóvel. A tecnologia avançou muito rápido e sentimo-nos ultrapassados. Dantes os saltos tecnológicos aconteciam a cada 100 anos e agora é de mês a mês. Há coisas novas e os nossos cérebros não estão adequados à mudança! Isto provoca grandes fossos emocionais e humanos. Custa-me, porém, adoptar a atitude de Velho do Restelo e dizer que tudo o que é novo é mau. Os jovens são muito interessados. Noto isso nos miúdos com quem trabalho, que são um público muito heterogéneo e estão prontos para agir, desde que sejam estimulados da forma certa, fazendo coisas que lhes interessam, falando de assuntos que lhes puxem pela cabeça. São os adultos que colocam em causa os formatos. Há dias, uma amiga quis fazer uma doação de livros para um projecto de jovens e, à frente dos miúdos, a monitora disse que "eles não querem saber de livros, quando precisamos usamos a internet". Partem do princípio que o consumo de livros é apenas para consultar conhecimento enciclopédico, nem pensam no prazer de ler ficção. Quando leio um livro, ouço cá dentro a voz do autor... estou a falar com aquela pessoa.

Perfil
Autora premiada

Ana Lázaro nasceu em 1982 e é licenciada em Teatro pela Escola Superior de Teatro e Cinema de Lisboa e formada pela ACT - Escola de Actores de Teatro e Cinema.
Trabalha como actriz em teatro e televisão e é dramaturga, encenadora e criadora de diversos projecto. Fez parte do elenco de séries de ficção nacional e programas televisivos. Fundou o núcleo 'DOBRAR', cujo espectáculo de estreia, da sua autoria, Por um Dia Claro, lhe valeu a Bolsa de Apoio Novos Encenadoresda Gulbenkian. Foi distinguida com o Prémio Literário Internacional Sea of Words, da Anna Lindh Foundation/IEMED, Barcelona, em 2013. Em 2014, venceu o Prémio FNAC Novos Talentos da Literatura. Em 2017, alcançou o Prémio Literário Maria Rosa Colaço- Literatura Infantil.

A greve dos estudantes pelo ambiente, que teve a sua génese em Greta Thunberg, que tem 16 anos, também colocou em evidência algo que, normalmente, não se vê entre os jovens: o abraçar de uma causa, de pedir uma voz e iniciar uma acção. 

Pode-se ver aí como as redes sociais podem ter um papel importante em temas tão graves. Parece-me que o modo como nos colocamos em relação aos adolescentes é desadequado, e por não percebermos que podemos aprender com eles, pensamos que são desatentos e desinteressados. Especialmente, quando lhes damos dez "secas" seguidas sobre o mesmo assunto.Temos de os fazer sentir estimulados. Temos de lhe dar coisas “fora da caixa”, mas também temos de estar dispostos a perceber se a mensagem está a passar e a mudar o caminho se não estiver. César Bona, o autor de A Nova Educação e vencedor do Global Teacher Prize, considerado o Prémio Nobel dos professores, diz que está disposto a aprender com os alunos e que, sempre que vai para as aulas, aprende com as crianças. É essa a postura a ter! Claro que temos de impor regras e tem de haver respeito.

Mesmo que se ensinem adequadamente os mais puros valores de cidadania e de convívio social, é inevitável o confronto com algumas das ideias defendidas em casa pelos pais. Já teve casos de crianças que discordaram do seu trabalho?
Não tive. Acredito que, quando tocamos a via mais artística e ensinamos aptidões de comunicação e empatia, não dá para esses ensinamentos serem desconstruídos. Não há como alguém chegar a casa e o pai dizer que "essa coisa da empatia não funciona". O que é  

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.

Já é assinante? Inicie aqui
SAIBA COMO