Sociedade

Sara Araújo: “quantos pais acham normal um filho brincar com uma boneca?”

21 mar 2019 00:00

Entrevista | A investigadora no Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra diz que está na hora de desconstruir a imagem de que somos um povo de brandos costumes e de ouvir as comunidades portugueses de outras etnias

Jacinto Silva Duro

A sociedade portuguesa tem dificuldade a apreender o que são comportamentos machistas e de violência de género? Ou seja, há práticas tão profundas que, muitas vezes, não conseguimos dar um passo atrás e reconhecê-las?
Acontece com o racismo e com o sexismo. Quando, no Parlamento, o Bloco de Esquerda propôs a medida anti-piropo, muitos acharam disparatado, e dei-me conta que a maior parte dos meus amigos não fazia ideia do que é ser mulher e andar na rua. Tendemos a individualizar as coisas e a colocá-las no registo da moral individual, quando nada disto é moral individual! Isto é, quando alguém diz que uma sociedade é racista, o nosso primeiro instinto é afirmar "eu não sou racista". Não é assim que se distingue se uma pessoa é racista. Uma pessoa branca tem de perceber que "usufrui do privilégio branco". Não digo que todos os homens são machistas, mas um homem, para não o ser, tem de começar por reconhecer os privilégios de que usufrui por ser homem, mesmo que não os procure. É preciso reconhecer que o patriarcado não é individual e, por isso, o sexismo não existe apenas nos homens. O patriarcado é uma estrutura mental, política e social, sobre a qual o capitalismo assenta. O sistema, como está construído, depende do trabalho gratuito feito maioritariamente pelas mulheres; todo aquele trabalho invisível e não pago de reprodução social: o cuidado das crianças, dos idosos ou da casa.

Diz-se muitas vezes a pessoas solteiras: tens de arranjar uma mulher que cuide de ti, tens de arranjar um homem que cuide de ti...
Ainda há dificuldade em conceber que uma mulher possa ser feliz estando solteira. Há diferentes registos de família e não é obrigatório seguir o cânone. Quantas pessoas estão num casamento e se sentem sós? E quantas são solteiras e não estão sozinhas porque têm uma estrutura de amigos, de família que não é apenas de sangue, que lhes permite ter força para enfrentar a vida? Desconstruiu-se, de alguma forma, a norma de que as mulheres "têm que casar". Mas o essencial da velha ideia espreita todos os dias: as mulheres não precisam de casar, mas dificilmente se concebe que podem ser felizes não casando. Somos uma geração de mudança, mas existe ainda uma estrutura que nos tenta amarrar às normas. Existe um modelo de felicidade e família... mas não quer dizer que não podemos reagir. É claro que, nos modelos conservadores de família, as regras são claras. Quando queremos algo que fuja ao cânone, as regras têm de ser negociadas.

A discussão da questão do género pressupõe uma nova concepção daquilo que é o ser-se humano, fora do modelo de binómio masculino-feminino?
O género é uma coisa construída. Há uma frase que é algo assim: "não vou à casa-de-banho das mulheres por ser mulher, sou mulher porque vou à casa-de-banho das mulheres". Se, enquanto crescemos, nos dizem que apenas somos homens ou mulheres, há, desde logo, o sofrimento das pessoas que não se identificam com o género biológico ou com a concepção binária de género. Há ainda a ideia de que as questões da transsexualidade são casos aberrantes ou situações muito específicas e de um grupo muito reduzido da população... Isso está errado! A nossa sexualidade é mais fluída do que aquilo que acreditamos. Temos de aceitar concepções mais amplas daquilo que é um ser humano. Idealmente, deveríamos incentivar que as pessoas fossem aquilo que quisessem, que se pudessem vestir e identificar com o que quisessem, sem terem de estar constantemente a reagir e a responder ao que é definido como normal. Admiro todos os homens e todas as mulheres trans que se afirmam nessa diversidade. Quando o fazem, melhoram colectivamente a sociedade. Quantos mais e mais diversos pontos de vista houver na sociedade, mais saudável e mais rica ela será. Está na hora de se parar de morrer por se ser fora da norma.

Leia aqui a segunda parte da entrevista:
“Temos de desconstruir a imagem de que não somos um país racista e que temos ‘brandos costumes’”


Direitos das mulheres das minorias, migrações, racismo, xenofobia, questões de género são coisas que devem ser abordadas, desde cedo, nas escolas?
Acredito que sim. Trabalho, aqui no CES [Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra], com o professor Boaventura de Sousa Santos tos e com um grupo de colegas, a partir de uma proposta epistemológica, que é também uma proposta de intervenção nas sociedades, que se chama Epistemologias do Sul. Nessa proposta, Boaventura identifica três formas principais de opressão e uma delas é o patriarcado e toda a opressão que daí resulta, não apenas contra as mulheres, mas contra quem foge aos papéis de género considerados "normais". A “masculinidade tóxica” também afecta os homens. Quando falamos que o patriarcado destina às mulheres um papel de sujeição, de silêncio, não significa que os homens não sofram também a violência que essa forma hegemónica de “ser e comportar-se como um homem” lhes inflige… Que o homem não sofra também a violência do homem. "Um homem não  

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.

Já é assinante? Inicie aqui
SAIBA COMO