Entrevista

Renato Epifânio: "A imprensa local é politicamente menos correcta e mais livre"

22 nov 2019 00:00

Renato Epifânio, o comissário do Tabula Rasa - Festival Literário de Fátima, que acontece entre 28 e 30 de Novembro, fala do evento que tem como tema Literatura e Jornalismo e das possibilidades de reforço da lusofonia, além dos discursos do 10 de Julho

Renato Epifânio, comissário do Tabula Rasa
Ricardo Graça
Jacinto Silva Duro

Na próxima edição do Festival Literário de Fátima - Tabula Rasa, que acontece entre 28 e 30 de Novembro, o grande tema analisado será a relação entre a Literatura e o Jornalismo. Até que ponto, estas duas correntes das letras, semelhantes na natureza, porém diferentes na objectividade, se podem tocar?

No primeiro festival, o tema foi a Literatura e a Filosofia, o segundo foi a Literatura e o Sagrado. Nesta terceira edição, parece-nos que atingimos o casamento perfeito porque há escritores consagrados que iniciaram a sua carreira como jornalista. Há diferenças necessárias entre a escrita jornalística e a literária, com a primeira  a ser mais objectiva e atenta aos factos, a segunda tem outra liberdade. Porém, o jornalismo foi e continua a ser uma grande escola de escritores. Posso dar o exemplo de Eça de Queirós, que é um dos maiores escritores portugueses de todos os tempos e começou a sua vida literária como jornalista a fazer a cobertura da abertura do Canal do Suez, que este ano, celebrou 150 anos.

Perante o problema das falsas notícias, da desinformação, dos factos alternativos, o jornalismo ainda é uma profissão admirada?

Julgo que sim. Com o acesso facultado à informação promovido pela Internet, pelas redes sociais, pelas plataformas noticiosas, gerou-se uma grande concorrência ao jornalismo clássico e isso tem levado, de facto, a um panorama que lhe é cada vez mais adverso. Actualmente e no futuro, continuará a ser necessária uma filtragem, perante a avalanche de informação e de opiniões e de falsas notícias. São necessárias entidades credíveis que façam essa filtragem entre o que é falso e o que é objectivo. Nesta edição do festival, teremos momentos de debate, como, por exemplo, aquele que será coordenado pelo Nuno Pacheco, que foi um dos fundadores do jornal Público. Este evento procura fazer uma radiografia do estado do jornalismo no nosso País e nos países e regiões de língua portuguesa, com convidados desses locais, dando-lhe uma dimensão internacional e lusófona. Este festival é uma grande prenda que a Junta de Freguesia de Fátima, que é o promotor, dá aos seus fregueses e em particular aos jovens.

Um dos painéis aborda o jornalismo regional, aquele que tem contacto directo com as populações.  

O festival tem esse espectro modelar. Além da dimensão internacional, não renega a radicação local que é fundamental. A imprensa local, regra geral, é mais livre, menos condicionada pelos grandes interesses económicos que, muitas vezes, ditam as agendas noticiosas. Como leitor de jornais, sigo também o percurso de alguma imprensa regional e verifico que até a Opinião publicada nos jornais de referência está, cada vez mais, formatada, e é curioso verificar que a que é mais dissonante e politicamente menos correcta aparece mais facilmente em jornais de âmbito regional do que nos de âmbito nacional.  

Este ano, o Tabula Rasa está mais regionalizado e estende-se aos concelhos limítrofes.

É um caminho que temos trilhado. À medida que o evento se tem consolidado, é mais fácil chamar pessoas com grande credibilidade e visibilidade pública. Na segunda edição, tivemos figuras como o professor Adriano Moreira e Guilherme d'Oliveira Martins e isso é um reconhecimento da importância crescente do festival literário. Nesta terceira edição, teremos connosco o professor e Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa. Como corolário, este festival ganha também impacto nos municípios circundantes. Queremos fazer deste festival um evento relevante na freguesia de Fátima e na área do município de Ourém, mas queremos também que seja marcante em toda a zona Centro. Daí que tenhamos promovido a associação de várias autarquias vizinhas e pensamos que, nos próximos festivais, esse espectro municipal se irá alargar ainda mais.  

Portugal deve assumir-se dentro das dimensões europeia e lusófona. Será tanto mais forte na Europa e no espaço lusófono, quanto mais assumir essa dupla condição  
Renato Epifânio 


Fernando Dacosta irá receber o Prémio Vida e Obra, este ano.
Na primeira edição ele foi para Eduardo Lourenço, que esteve presente, no segundo, em 2017, o premiado foi Pinharanda Gomes, uma grande figura da nossa cultura, que, entretanto, faleceu, tendo, em Outubro, quando faria 80 anos, sido agraciado com a Grande Cruz da Ordem de Santiago pelo Presidente da República. Neste terceiro festival, o premiado é o jornalista e escritor Fernando Dacosta. A escolha teve que ver com a temática desta edição. Eduardo Lourenço foi o vencedor na primeira edição. Ele é um pensador e autor que escreve sobre os grandes escritores como Fernando Pessoa, Teixeira de Pascoaes ou Sophia de Mello Breyner e faz a ponte entre a Literatura e a Filosofia. Na segunda, procurámos quem fizesse a ligação com o Sagrado, nas várias dimensões, e a escolha foi Pinharanda Gomes, que é, talvez, o maior historiador da cultura religiosa em Portugal. Já Fernando Dacosta é um um autor consagrado, com um trajecto à prova de bala. Nos outros prémios, de Ficção, Literatura Infanto-Juvenil, Poesia, temos atribuído o galardão a pessoas mais jovens, como Nuno Júdice ou Gonçalo M. Tavares. Já temos um histórico importante, que nos eleva a fasquia.

Há algum tempo, escreveu um texto no Público a que chamou Azia Anti-Lusófona. Existem correntes de pensamento que colocam em causa o sonho do Quinto Império, do professor Agostinho da Silva?

No Público, escrevi um outro texto que é consonante com esse, que se intitulava Falso Consenso em Torno da Lusofonia. Tenho falado muito sobre o tema e tenho sido convidado a abordar publicamente o tema, enquanto presidente do Movimento Internacional Literário. O que verifico é que, com honrosas excepções, na classe política, há uma retórica pró-lusófona naqueles feriados mais relevantes, como o 10 de Julho ou o 5 de Outubro, onde os nossos políticos gostam de tecer loas à Lusofonia, de citar Fernando Pessoa e de dizer que "a minha Pátria é a Língua Portuguesa", mas o que verificamos é que não se dão passos muito consequentes, em prol da valorização de facto e concretamente dessa convergência dos países ou regiões dos espaço de Língua Portuguesa. Por outro lado, não há muita gente a pronunciar-se contra a Lusofonia… Há quem levante fantasmas do passado, como se a Lusofonia tivesse que ver, essencialmente, com o passado e fosse um projecto neocolonialista, sendo que a répli ca é bastante simples: "quando se fala de Lusofonia, fala-se da língua e do seu estatuto enquanto língua oficial em diversos países. Se, em Angola, Moçambique, Guiné-Bissau e Timor-Leste, o idioma oficial é o Português, isso não decorre de uma imposição portuguesa, mas da vontade expressa das autoridades legítimas de cada um desses países". É o primeiro argumento contra esses fantasmas. Dito isto, sabemos que há um grande caminho a fazer, porque também há feridas históricas… houve uma guerra...

Já passou quase meio século desde o fim da guerra.

Estas feridas demoram muito a cicatrizar. Essa página está-se a virar e os sinais que vamos recebendo mostram que entre as gerações

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.

EVENTOS