Entrevista

Entrevista | Manuel Aires Mateus: "Há uma ideia de progresso ainda muito associada auto-estrada"

4 mai 2018 00:00

O arquitecto considera que "o interesse da arquitectura é, precisamente, a sua condição de inacabada".

Maria Anabela Silva

O júri do Prémio Pessoa afirmou que “a sua arquitectura é moderna, abstracta e contemporânea, mas parte de uma recolha de formas e materiais vernaculares portugueses, que integra de um modo exemplar”. Revê-se nesta definição?

O relatório do júri é muito generoso. Revemo-nos [inclui o irmão com quem assina os projectos] numa procura. Não dizemos que fazemos, mas antes que procuramos fazer, o que é diferente. Somos contemporâneos. Não podíamos deixar de ser. Mas procuramos também integrar, de alguma maneira, uma ideia de memória no projecto. Porque é aquilo que trazemos. E é uma memória que é pessoal, mas também colectiva. Muitas vezes, quando falamos de vernacular ou de reconhecível, estamos a falar de uma memória colectiva, que todos nós entendemos, um lugar que nos é comum, que nos é confortável. Muitas vezes, procuramos usar na arquitectura uma memória comum para, a partir dela, fazer as pessoas reconhecer e serem capazes de ver outras coisas a partir dessa leitura. Será disso que o júri fala. Integrar coisas que são, sobretudo, memória colectiva.

E isso é válido tanto quando se constrói de raiz como quando se recupera.

É evidente. Há coisas que nos são inatas, que são do nosso conhecimento mais profundo. Se pedir a quatro crianças para desenharem uma casa, ela não vai diferir muito. Mas, se o pedir a si, provavelmente também não será muito diferente. Há uma ideia colectiva sobre o que é uma casa, uma porta, uma janela. Sobre o que são uma série de elementos, que, no fundo, são aqueles de que se faz a arquitectura. Depois, pode haver uma combinação artística e intencional desses elementos. Construímos de novo com elementos que reconhecemos. Ninguém explica a um miúdo de dez anos o que é uma porta. Ele percebe, mesmo que a porta seja diferente. Podemos mudar a cor, mas ele sabe o que é. E essa compreensão enraizada é uma ideia que serve para recuperar mas também para construir de novo. Está-nos nas raízes. São as tais memórias colectivas, com as quais gostamos de operar.

Porquê?

Aproximamo-nos da arquitectura de duas formas em simultâneo. Por um lado, temos uma visão do real. Sabemos que determinada coisa é madeira, que tem uma certa forma, tamanho ou temperatura. Por outro lado, há visão cultural. O que é que percebo que aquilo é, o que conheço, o que sei daquela história. Depois, estendo essa visão ao contacto com o real. A mistura ou a amplificação do que a visão cultural e a visão real podem ter em simultâneo é que nos dá o resultado da arquitectura. Daí, ser muito importante construímos com o conhecimento e não apenas com o real.

O que é mais desafiante: projectar de raiz ou transformar um edifício com 100, 200 ou mais anos que já foi um hospital, convento ou quartel, por exemplo?

São desafios diferentes. Uma das coisas que particularmente aprecio é a variação do desafio. O poder agora desenhar um candeeiro, cadeiras, uma mesa ou objectos mais pequenos, como talheres, taças, pratos, ou desenhar à escala urbana, desde coisas novas ou intervenções muito pequenas na reabilitação de edifícios. O interessante no trabalho não é o que ele é, mas o que dele se faz. O interesse do desafio está naquilo em que nós o transformamos. Precisamos de descobrir em cada projecto o que é único nele. Muitas vezes, isso é feito estudando o problema e tentando aprofundá-lo. Uma das razões porque gostamos muito de fazer casas particulares, as chamadas casinhas, prende-se com o facto de ser o programa em que os clientes se envolvem mais e que, de alguma maneira, se torna mais único.

Nesse processo ajuda conhecer a família?

É essencial. Não começamos um projecto sem conhecer a família, sem saber quem é que vai viver naquela casa. É uma condição importante.

Porquê?
A arquitectura tem uma condição de espera. Não desenhamos uma casa para uma família que não sirva para outra. Claro que serve. Mas aquela família para quem vamos desenhar a casa funciona como motor para a busca de uma condição única naquele projecto. E isso é o mais interessante. Não quer dizer que outra família não possa viver ali depois. Até porque, a qualidade espacial para uns quer dizer, mais ou menos, a mesma coisa para outros. Mas a família é que torna a condição da discussão mais particular. Por isso, queremos sempre conhecer a família toda, porque é isso que irá tornar o projecto muito específico. Não há nada mais rico do que uma pessoa. Portanto, o primeiro diálogo que temos de ter é com as pessoas.

Qual o papel do cliente no processo de elaboração do projecto?

É questioná-lo, discuti-lo. É obrigar- -nos ao porquê, à explicação. O arquitecto precisa imenso do contraditório, de ir à explicação. Não desenhamos as casas com os clientes. Não há qualquer confusão de papéis. Mas, gostamos imenso que os clientes mudem as coisas, pela possibilidade que isso dá de introduzir uma outra condição ao projecto.

 

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.

Já é assinante? Inicie aqui
SAIBA COMO