Opinião

Teorias rurais

30 jul 2017 00:00
francisco-freire-investigador
Francisco Freire, investigador

De acordo com uma rotina antiga, parti uma vez mais para a Europa durante a quadra estival.

Os companheiros algarvios que me perdoem, mas estou certo que muito se ganharia com uma proibição de frequentar a dita região durante os meses quentes.

Bastante mais gente estaria, por exemplo, disponível para o combate aos incêndios, e as camas do Algarve seriam aquecidas por compradores estrangeiros com muito mais euros no bolso, desenvolvendo assim o comércio local de cerveja e outras iguarias. Voltando ao meu périplo…

Sem qualquer dúvida que me qualifico já como bom observador do fenómeno europeu! Constatando que esse pequeno continente (exíguo na sua dimensão terrestre) está bem decorado ao nível do alcatrão, bordejando bonitos espaços verdes, por vezes cultivados, e muitas vezes selvagens.

Sente-se amiúde a falta da silva e do eucalipto nacional, mas facilmente me adapto aos novos aromas e paisagens. Na verdade, por todo o lado se observam zonas vinícolas, o que geralmente aconchega o coração de um leiriense.

Leia mais na edição impressa ou torne-se assinante para aceder à versão digital integral deste artigo.

* Investigador