Opinião

Teorias rurais

20 Oct 2016 13:43
francisco-freire
Francisco Freire*

Alguns de nós alcançam mais um Outono que, graças a Deus, nos traz bastantes motivos celebratórios.

Ouso enumerar alguns dos acontecimentos que dignificam este momento particular: a liderança das Nações Unidas por um católico engenheiro do Técnico, o sucesso de mais uma campanha vinhateira, o muito aguardado regresso da chuva, o avistamento e estudo de mais um orçamento do estado, a vitória eleitoral dos conservadores no vizinho reino de Marrocos, ou o novo condomínio a desenvolver em frente aos Paços do Concelho (com algum espaço reservado ao estudo das artes e letras)!

Mantendo a nota de positividade, interessa também saudar, no regresso do tempo fresco, o reaparecimento dos míscaros com areia - especialidade local passível de incorporar, tal como os taxistas lisboetas e os chocalhos de Ferreira, a lista das maravilhas !?imateriais?! de Portugal - e das agradáveis ricottas serranas - também conhecidas como (re)queijões na região de Minde. Ainda assim, a nível pessoal, inquieta-me o fim eminente dos corações de boi em versão tomate...

Até já formosos companheiros! Outra questão que sempre me aflige nesta altura, e que convosco partilho, é o destino dos caracóis durante estes meses semi-frios. Terão emigrado? Dizem-me que muitos deles, tal como os linces e algumas cegonhas, passam o inverno em Espanha.

Custa-me, de algum modo, acreditar nessa possibilidade. Todos sabendo que o verão em Espanha é muito mais gostoso do que o nosso, porque haveriam de voltar para cá? Sem querer ferir a susceptibilidade do colega que me confidenciou esta ideia, esta não deixa de me parecer estúpida.

*investigador

Leia mais na edição impressa ou torne-se assinante para aceder à versão digital integral deste artigo