Login
Esqueci a password

Se esqueceu o seu Username ou a sua Password envie-nos o seu e-mail e receberá os seus dados de acesso por e-mail.

Se não sabe que endereço de e-mail utilizou no seu registo, por favor contacte os nossos serviços através do nosso e-mail assinantes@jornaldeleiria.pt.

Para procurar palavras exactas utilize aspas. Ex: "Castelo de Leiria" "Jornal de Leiria"
Área restrita

A secção que pretende aceder é restrita a assinantes do Jornal de Leiria. Para se tornar assinante vá à área Assinatura.

Se já for assinante da edição impressa, pode registar-se na edição online, sem custos adicionais.

Caso já tenha um registo, efectue login.

Opinião

Helena Veludo Voltar

11:08 - 20 Setembro 2019
Protectio Civilis

Protectio Civilis

Não abri janelas, até porque a par da inacessibilidade e do ruído, o odor a excremento animal das habituais descargas

Esta Gente / Essa Gente
O que é preciso é gente
gente com dente
gente que tenha dente
que mostre o dente

Gente que não seja decente
nem docente
nem docemente
nem delicodocemente

Gente com mente
com sã mente
que sinta que não mente
que sinta o dente são e a mente
Gente que enterre o dente
que fira de unha e dente
e mostre o dente potente
ao prepotente

O que é preciso é gente
que atire fora com essa gente

Essa gente dominada por essa
gente
não sente como a gente
não quer
ser dominada por gente

NENHUMA!

A gente
só é dominada por essa gente
quando não sabe que é gente

Ana Hatherly, in "Um Calculador de Improbabilidades

A chegada a casa a 12 de Setembro, porque o ano escolar encurtou férias, foi um instante esclarecedor que o repouso adquirido, já era!

Desde logo chegar a casa. Primeiro, sem acessos porque as vias estão em obra desde o início do mês de Janeiro e, apesar de finalização prevista para 14 de Junho, ainda não há fim a vista.

De seguida o único acesso à garagem estava interdito porque decorria mais um evento no Estádio Municipal: Leiria Sobre Rodas 2019.

Entrada finalmente em casa fui logo agraciada com locução que dado os níveis de decibéis, seria para ser ouvida em toda a cidade, assim como acelerações e travagens de “pés acrobatas-auto” acompanhadas dos seus resíduos tóxicos.

Se se ouvia além da área urbana, imaginem para quem está ao lado (refiro que o edifício onde habito já existia antes do estádio e a lei do ruído já estava em vigor).

Não abri janelas, até porque a par da inacessibilidade e do ruído, o odor a excremento animal das habituais descargas, do monóxido de carbono, acompanhado dos latires dos animais (supostamente domésticos, mas selvagens porque postos no exterior de suas casas interagem com a envolvente sem regra) o dissuadiram.

Chegada a hora de repouso, as rodas arranham o 

LER MAIS

Faça para ler a totalidade do artigo ou registe-se e aceda à versão integral deste texto





Os comentários são da exclusiva responsabilidade do utilizador