Opinião

Por onde anda a política?

26 abr 2018 00:00

Quanto a isso há um testemunho insuspeito, o de Hitler: ele relata como, depois de rebentar a guerra, caiu de joelhos e agradeceu a Deus.”

Meu Caro Zé,

Conheces-me bem e saber que eu tenho a mania de procurar ligar vários acontecimentos e pontos de vista que, de vez em quando, me levam a um sincretismo, do qual não me consigo libertar adequadamente.

Desconfio que é o que ora acontece nesta conversa, pelo que, desde já, te peço desculpa a ti e a quem tiver a paciência de me ler.

Como sabes, leio vários livros ao mesmo tempo, de épocas diversas e, frequentemente encontro profundas semelhanças e consequentes preocupações. Assim, ao ler Ler Lolita em Teerão, de Azar Nafisi (2003), encontrei a frase seguinte: “Na rua, à minha direita, havia uma citação do Ayatollah Khomeini em grandes letras negras: Esta guerra é uma grande redenção para nós”.

Lembrei-me, de imediato, de Elias Canetti (1960) que, em Massa e Poder, escrevia: “… os primeiros dias de agosto do ano de 1914 são igualmente o 'momento de geração' do nacional-socialismo.

Quanto a isso há um testemunho insuspeito, o de Hitler: ele relata como, depois de rebentar a guerra, caiu de joelhos e agradeceu a Deus.”

No fim-de-semana, veio a notícia de que o líder norte-coreano ia suspender os ensaios nucleares e uma enorme sala cheia de gente batia freneticamente as palmas ao “grande líder”, os mesmos que, pouco tempo antes, batiam também freneticamente as palmas quando ele anunciava mais um sucesso de um ensaio nuclear.

Que há de comum nisto tudo? A presença de ditadores que usam a guerra ou os conflitos para dominar a “massa” que deixa de pensar para seguir slogans ou emoções “patrióticas” demarketing quase perfeito.

E, ao pensar nisto, veio-me à lembrança, novamente, Azar Nafisi quando refere ter ficado estupefacta por um grande número das suas alunas, no exame, terem transcrito, palavra por palavra, aquilo que ela dissera na aula sobre um dado tema.

Pensou que era “copianço” mas as colegas mais experientes depressa lhe explicaram que “era prática usual as alunas memorizarem tudo o que os professores diziam e, a seguir, reproduzirem-no sem alterar uma única palavra.”

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.

Já é assinante? Inicie aqui
SAIBA COMO