Opinião

O homem morto vive!

18 abr 2017 00:00

Na semana passada recebi uma carta no correio. Não era o IMI, nem a conta da água, nem da luz. Nem o recibo do seguro do carro.

Era uma carta manuscrita, sem remetente. Trazia o meu nome completo no destinatário. A letra era bonita, bem desenhada, efeminada. Por momentos pensei (ou desejei!) que fosse uma declaração de alguma eventual admiradora secreta. Uma carta de amor que fizesse o meu coração palpitar como nas paixões da adolescência.

Abri-a. A primeira frase fez-me estremecer: "Eu sou o homem morto que você descreveu na edição 1704 do Jornal de Leiria, de 9 de Março de 2017". Pensei tratar-se de uma brincadeira de algum dos meus sempre inventivos amigos, mas as frases e as descrições que se seguiram dissiparam quaisquer dúvidas. Quem entrara em contacto comigo era, de facto, o "homem morto" que eu vira em criança.

A carta prosseguia como uma revelação inacreditável: "Na verdade é a si que devo a minha vida. Quando o Carlos chegou a casa e avisou os seus pais do que tinha visto, eles contactaram as autoridades que pouco tempo depois chegaram ao local onde eu estava miseravelmente moribundo. Levaram-me para o hospital. Todos pensavam que eu estava morto. Eu não acreditava em milagres, mas tornei-me num devoto religioso desde aquele doloroso episódio. Sobreviver aos graves ferimentos que me foram infligidos só pode ter sido devido a intervenção divina”.

Leia mais na edição impressa ou torne-se assinante para aceder à versão digital integral deste artigo.

*Presidente da Fade In

Assine Já Login

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?
Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.