Login
Esqueci a password

Se esqueceu o seu Username ou a sua Password envie-nos o seu e-mail e receberá os seus dados de acesso por e-mail.

Se não sabe que endereço de e-mail utilizou no seu registo, por favor contacte os nossos serviços através do nosso e-mail assinantes@jornaldeleiria.pt.

Para procurar palavras exactas utilize aspas. Ex: "Castelo de Leiria" "Jornal de Leiria"
Área restrita

A secção que pretende aceder é restrita a assinantes do Jornal de Leiria. Para se tornar assinante vá à área Assinatura.

Se já for assinante da edição impressa, pode registar-se na edição online, sem custos adicionais.

Caso já tenha um registo, efectue login.

Opinião

Fernando Gonçalves Voltar

17:46 - 05 Setembro 2019
Nós soberanos

Nós soberanos

Como lucidamente asseverou Alvin Tofler, numa pertinente adaptação do pensamento Hobbesiano, a informação é poder.

Está demonstrado que os veículos de condução autónoma têm uma taxa de acidentes muito menor do que os veículos conduzidos por humanos.

Socorrendo-se do manancial de informação que comporta, o algoritmo toma decisões, de forma vertiginosamente mais rápida do que nós, “ponderando” as probabilidades de acidente, decidindo, por conseguinte, virar, travar ou acelerar, em função do menor dano possível.

Outra vantagem dos computadores e robôs é a particularidade de obedecerem à sua programação sem se deixarem influenciar por preconceitos, raiva ou maldade, na medida em que são desprovidos de emoções.

Mas isso pode ser muito perigoso, uma vez que se a programação não for determinada pelo “homem bom” o autómato seguirá, à risca, as instruções.

Se a ordem for para matar, nenhum sentimento, como a bondade ou a compaixão, interferirá na execução da mesma. Os algoritmos comportam em si mesmos a preocupante possibilidade de virem a conhecer cada um de nós melhor do que nós.

Essa informação, quando nas mãos de tiranos, apresenta-se como um perigo latente até porque os governos autoritários terão maior aptidão para irem mais longe no desenvolvimento e utilização desses dados, visto que desconsideram direitos humanos básicos como a privacidade e a individualidade.

Como lucidamente asseverou Alvin Tofler, numa pertinente adaptação do pensamento Hobbesiano, a informação é poder.

Nos primórdios da Humanidade, o poder alicerçava-se na posse de terras, distribuídas em função do poder bélico dos conquistadores. Essa realidade cimentou-se, durante milénios, até à revolução industrial e ao advento do poder capitalista que perdura há dois séculos.

Por fim, a era da Big Data irrompeu,  

LER MAIS

Faça para ler a totalidade do artigo ou registe-se e aceda à versão integral deste texto





Os comentários são da exclusiva responsabilidade do utilizador