Opinião

Não era suposto nascermos para sermos felizes?

10 out 2019 00:00

Nada é tão certo, afinal. Nada é absoluto. Nada é controlável.

O cheiro da infância engana. Mente. À mente da gente. A casa vintage, o pão com manteiga e tudo tratado. O castiçal iluminado. O lustre pendurado. O futuro arrumado e ensinado. A lareira acesa, a novela brasileira e o chão encerado.

As horas certas para dormir acordado. Quem manda nisto agora? Algures no tempo, deixaram de puxar o lustro à existência da meninice. Acabaram com o sustento da inocência. Quem manda na vida agora?

Lá atrás, há muito muito tempo, ser ou não ser não tinha questão nenhuma. Não era preciso ser-se outra coisa senão o que se é. O que se era. Aí, nessa liberdade inata, fomos e seríamos imensamente felizes para sempre.

Mas algures no tempo, era uma vez essa coisa das histórias de enc antar. Foram-se deixando disso. Quem mandou? Não é apenas a distância dos dias que nos separa da infância. É este distanciamento profundo de uma realidade sugerida em que acreditámos piamente.

Sob o manto da protecção, jamais poderíamos descortinar o desassossego que aí vinha e que para aí anda. Em nenhum momento nos foi dada a hipótese de desconfiar que a felicidade não segue um movimento contínuo.

Nada é tão certo, afinal. Nada é absoluto. Nada é controlável. Percebo isso, agora. Agora que se foram todos embora. Nada é eterno.

Da infância feliz, não resta ferramenta alguma. É-se atirado cego para a arena sem escudo nem arma. Quem manda na v ida agora?

Pela infância feliz, sinto-me agradecida às ve

Este conteúdo é exclusivo para assinantes

Sabia que pode ser assinante do JORNAL DE LEIRIA por 5 cêntimos por dia?

Não perca a oportunidade de ter nas suas mãos e sem restrições o retrato diário do que se passa em Leiria. Junte-se a nós e dê o seu apoio ao jornalismo de referência do Jornal de Leiria. Torne-se nosso assinante.

Já é assinante? Inicie aqui
SAIBA COMO